Vendas em banca do PÚBLICO crescem num mercado em queda

Jornal vendeu 13.620 exemplares por dia. As assinaturas online também aumentaram.

Foto
Nelson Garrido

As vendas do PÚBLICO, tanto da edição impressa como nas assinaturas digitais, subiram nos dois primeiros meses deste ano. No caso do jornal em papel, o crescimento surge em contraciclo com um mercado que está em queda crónica.

Números da Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem e Circulação (APCT) indicam que o PÚBLICO vendeu nas bancas uma média de 13.620 exemplares diários ao longo de Janeiro e Fevereiro, uma subida de 8% face aos mesmos meses de 2018.

A subida do jornal contrasta com o segmento dos cinco jornais nacionais generalistas listados pela APCT, que, no total, sofreram um recuo de 7% nas vendas (desta lista não faz parte o jornal i, que não é auditado pela associação).

O Correio da Manhã – que continua a ser o líder destacado – viu as vendas baixarem 9% para os 73.192 exemplares. As vendas do Jornal de Notícias desceram 10%, para os 31.918 exemplares.

Entre os semanários, o Expresso, que em Março mudou de director, teve uma quebra de 5%, tendo vendido uma média de 54.784 exemplares por edição. Já o Diário de Notícias afundou-se 32%, para 4275 exemplares por edição. O jornal passou, em meados do ano passado, a ter uma periodicidade semanal, numa estratégia com que pretende fazer face às dificuldades de negócio que o sector atravessa.

Para além dos exemplares em banca, os jornais vendem ainda assinaturas e as chamadas vendas em bloco (feitas a empresas, com descontos), que normalmente representam uma fatia pequena dos números das edições impressas. O Jornal de Notícias, com 6529 assinantes da edição impressa, é o único em que as assinaturas são uma percentagem substancial.

Já nas assinaturas online, o PÚBLICO cresceu 13%, acompanhando o mercado e somando 12.563 assinantes (o jornal começou este mês a disponibilizar alguns artigos apenas a assinantes, com o objectivo de aumentar as subscrições online, mas a estratégia só começará a ser reflectida nos próximos números da APCT).

No total, os cinco generalistas viram as assinaturas online crescerem 15%, impulsionadas sobretudo pela subida do Expresso, que teve também um crescimento de 15%, para os 22.308 assinantes.

O Correio da Manhã registou uma subida de 21%, para as 1450 assinaturas, ao passo que o Jornal de Notícias caiu 27%, para as 4519, e o Diário de Notícias perdeu 67%, tendo agora 1300 assinantes online.