Marcelo quer levar empatia da política para os negócios com a China

Visita do Presidente da República português à China durou seis dias e termina a 1 de Maio em Macau.

Marcelo Rebelo de Sousa acompanhado pelo embaixador de Portugal na República Popular da China, José Augusto Duarte, em Xangai
Foto
Marcelo Rebelo de Sousa acompanhado pelo embaixador de Portugal na República Popular da China, José Augusto Duarte, em Xangai LUSA/MIGUEL A. LOPES

Marcelo Rebelo de Sousa participou ontem, em Xangai, num seminário económico e deu uma lição sobre empatia. O Presidente da República começou por explicar que existe “uma empatia” ao mais alto nível político nas relações luso-chinesas e aconselhou os empresários a aproveitarem este momento para “ir mais longe e ir mais depressa” nos negócios.

“É um momento que não podemos desperdiçar. Porque há a memória de um conhecimento recíproco, uma capacidade de compreensão também singular, porque há uma confiança que se criou. E a confiança é crucial. Está criada a confiança, a todos os níveis”, considerou o Presidente dos afectos.

De acordo com Marcelo Rebelo de Sousa, nas recentes visitas recíprocas entre titulares do poder político de Portugal e da China, “entre primeiros-ministros, como desde logo entre presidentes da República, nasceu uma empatia, renovou-se uma empatia” que gerou “um quadro de excelência nas relações políticas institucionais”.

O chefe de Estado defendeu que “isso é importante” para as empresas, argumentando que “a empatia no quadro político institucional pode facilitar ou dificultar as relações empresariais”. Dirigindo-se aos empresários dos dois países, deixou-lhes um desafio: “É ir mais longe e ir mais depressa, porque a velocidade neste tempo é outra, e não há vazios, os vazios têm de ser preenchidos. Não podemos perder um minuto. Não podem perder um minuto na concretização dos vossos projectos”.

“Foi essa a mensagem que quis aqui trazer com a minha presença. Quis dizer que, naquilo que depende dos presidentes, nós estamos presentes: está presente o Presidente Xi, estou presente eu. Naquilo que depende dos poderes políticos, estamos presentes. Agora, a vida não se faz nem só nem sobretudo com os poderes políticos, faz-se com as pessoas, faz-se com os empresários, faz-se com aqueles que criam riqueza”, acrescentou.

Objectivos no relacionamento económico

Perante os 250 empresários discursou também o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, para afirmar que Portugal quer consolidar as relações económicas com a China no quadro da União Europeia e destacar o turismo como “área absolutamente decisiva” para o reforço das relações económicas luso-chinesas.

O ministro enunciou os objectivos de Portugal no plano do relacionamento económico com a China. “O primeiro objectivo é consolidar as relações de investimento entre a China e Portugal”, apontou, acrescentando que Portugal quer que esse reforço aconteça “no quadro, em primeiro lugar, dos acordos que estão a ser concluídos entre a União Europeia e a China”. Segundo o ministro, “este quadro institucional cria novas condições muito promissoras para a continuação do investimento chinês em Portugal, designadamente de novo investimento, investimento de raiz”.

Augusto Santos Silva disse que na Cimeira União Europeia/China realizada em Abril “os líderes europeus e chineses foram muito claros no compromisso de concluir até 2020 o acordo de protecção de investimento recíproco”.

“E também foram muito claros ao dizer que era necessário articular a nosso própria iniciativa europeia de promoção da conceptividade entre a Europa e a Ásia, por um lado, e do outro lado a iniciativa ‘Faixa e Roda’, a ‘Nova Rota da Seda’, liderada pela China”, realçou.

No final do seu discurso, o ministro dos Negócios Estrangeiros voltou a referir-se às relações económicas luso-chinesas no quadro europeu, afirmando a ambição de “melhorar ainda mais as excelentes relações entre Portugal, a União Europeia e a China”.