Quatro séculos de música para Shakespeare no CCB

Até ao próximo domingo, Shakespeare e “o doce poder da música” servem de fio condutor aos Dias da Música através de intérpretes tão diversificados como a Accademia del Piacere, os Tallis Scholars, Ian Bostridge, Marco Beasley, Ana Quintans, Elisabete Matos ou Maria João.

,Peças de Shakespeare
Fotogaleria
Reuters/DYLAN MARTINEZ
Ian Bostridge
Fotogaleria
Ian Bostridge Sim Canetty-Clarke
,Música
Fotogaleria
Ana Quintans Cristovao
Pedro Meireles
Fotogaleria
Tiago Derriça dr

O impacto do legado de William Shakespeare (1564-1616) ao longo dos últimos quatro séculos extravasa largamente os domínios do teatro e da literatura para se estender a outras artes e domínios da cultura e do imaginário colectivo. Nesse universo, a música constitui um elemento fundamental não só pela importância que tinha nas práticas teatrais da Inglaterra isabelina e no próprio discurso poético e teatral de Shakespeare, como pela influência e fascínio que a obra do grande dramaturgo inglês exerceu sobre compositores de todas as épocas. Este potencial inesgotável serve de fio condutor à edição de 2019 dos Dias da Música, que decorre desde esta quinta-feira até domingo no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, e que apresenta propostas bastante variadas em termos de géneros musicais e estilos.