Patrick Hendry/Unsplash
Foto
Patrick Hendry/Unsplash

Megafone

Quantos mais Dias da Terra serão precisos?

Hoje, a semente lançada pelo primeiro Dia da Terra, há 50 anos, é já uma árvore corpulenta de respeitados movimentos ambientalistas. E sabemos algo de muito claro: ou mudamos radicalmente agora, ou sofreremos um ponto de não retorno daqui a 12 anos.

Hoje, 22 de Abril, assinala-se o Dia da Terra, reconhecido pela ONU em 2009. As origens da celebração deste dia coincidem com o início do florescimento do movimento ambientalista nos Estados Unidos e no mundo. Em 1970, em plena guerra do Vietname, o movimento estudantil continuava altamente dinâmico. Numa década marcada pelas lutas de justiça social, protagonizadas muitas vezes pela comunidade estudantil, a proactividade brotava do chão.

Em 1969, após a assistir a um derrame de petróleo em Santa Bárbara, no estado da Califórnia, o senador americano Gaylord Nelson começou a arquitectar a ideia ambiciosa de colocar as questões climáticas na agenda política nacional. A tarefa não seria fácil: canalizavam-se quantidades monstruosas de dinheiro para a exploração de combustíveis fósseis; as indústrias altamente prejudiciais triunfavam num crescimento mundial desenfreado; o cheiro a smog e a poluentes tóxicos nas vilas e cidades era apenas sinal de prosperidade e desenvolvimento económico. Tomar os impactos ambientais em conta nas decisões políticas era ainda extremamente rudimentar. O céu era o limite para o crescimento económico.

Um ano depois, escolheu-se o dia 22 de Abril de 1970 para se comemorar o primeiro Dia da Terra. Uma data que ficaria para a história da América e do mundo contemporâneo: foi a primeira vez que se reconheceu a necessidade de se assinalar um dia específico no calendário para celebrar a Terra e alertar para a destruição ambiental. Nelson, em conjunto com o congressista republicano Pete McCloskey e uma equipa de 85 funcionários, coordenaram e organizaram acções, demonstrações e protestos por todo o país. Vinte milhões de americanos saíram à rua nesse dia, alertando para a urgência de tomar medidas contra a iminente crise climática que se aproximava, e focando-se sobretudo nas questões de saúde pública, como água limpa e ar respirável para todos.

A maior parte dos protestos e demonstrações foram protagonizados por estudantes, que canalizavam a energia usada na luta contra a guerra do Vietname para uma causa que conseguiu unir diferentes espectros políticos e classes sociais. Muitos faltaram às aulas para poderem participar nas demonstrações públicas; outros organizaram-se e foram de bicicleta para a escola; outros ainda, enquanto se manifestavam, fizeram recolhas de lixo.

Deste dia histórico, cujas acções tiveram como principais agitadores a comunidade estudantil, do liceu ou da universidade, saiu-se com a certeza de que estava plantada a semente para que o movimento ambientalista pudesse florescer e dar corajosamente os primeiros passos num mundo em que as preocupações climáticas eram marginalizadas e ignoradas. Quase 50 anos depois, pergunto-me: onde estamos agora?

Segundo os dados da Agência de Protecção Ambiental dos Estados Unidos (EPA, na sigla em inglês), as emissões globais aumentaram cerca de 90% desde 1970. Cinco décadas inteiras de luta, protestos, petições, marchas, leis, relatórios, tratados e acordos, e os resultados estão bem à vista de todos. Em meio século, as emissões continuaram a empilhar-se umas atrás das outras, as grandes multinacionais continuaram a sentir-se à vontade para envenenar o planeta enquanto os governos do mundo olham discretamente para o lado.

Agora, o paradigma parece começar a sofrer alguns abalos. Lentamente, traça-se o caminho para descarbonizar e mudar o rumo da catástrofe ambiental. Mas estes são planos que deveriam ter sido feitos quando a semente plantada era ainda um pequeno rebento e a crise climática tinha ainda muita margem de manobra. Hoje, a semente lançada pelo primeiro Dia da Terra, há 50 anos, é já uma árvore corpulenta de respeitados movimentos ambientalistas. E sabemos algo de muito claro: ou mudamos radicalmente agora, ou sofreremos um ponto de não retorno daqui a 12 anos.

O movimento da greve às aulas pelo clima, impulsionado por Greta Thunberg, parece ser o culminar destes 50 anos numa luta que demasiadas vezes se mostra ingrata. E, por isso, neste Dia da Terra de 2019, temos a certeza de que, se em 50 anos as vozes foram quase que ignoradas e a crise climática agravada, iremos lutar com tudo o que podemos para que os últimos 12 anos sejam, por fim, os anos da mudança radical de paradigma. Se não agora, para quando? Decerto não podemos dar-nos ao luxo de aguardar mais meio século.