“A curva da morte”: imprensa alemã acompanha acidente na Madeira

A imprensa alemã está a acompanhar o acidente de autocarro na Madeira que matou 29 turistas. Os principais meios de comunicação classificam o acidente de “Bus-drama” e avançam que a maioria das vítimas fez a reserva para a viagem através de uma empresa de Frankfurt.

Foto
LUSA/HOMEM GOUVEIA

Os principais meios de comunicação social alemães estão a acompanhar de perto o despiste de um autocarro de turismo na Madeira que matou 29 pessoas. De acordo com a informação oficial são todas de nacionalidade alemã.

Na primeira página da edição desta quinta-feira, o tablóide Bild classifica o acidente de “Bus-drama” e escreve que o motorista “tentou, queria evitar a tragédia, quis desacelerar o autocarro, mas não conseguiu parar”. Já na sua edição online, o jornal alemão classifica o local onde o acidente aconteceu como “curva da morte da Madeira” e refere que tem repórteres no local “à procura de provas”.

O Bild cita ainda um casal que conseguiu sobreviver ao acidente. “Nós tínhamos o cinto posto, os outros aparentemente não, nós não sabemos. As pessoas voaram ao nosso redor”, lê-se na edição online do jornal.

Já o jornal Frankfurter Rundschau escreve que Ministro dos Negócios Estrangeiros​ da Alemanha, Heiko Maas, estará  nesta quinta-feira na Madeira, acompanhado por médicos, psicólogos e funcionários consulares do Ministério dos Negócios Estrangeiros. Segundo o jornal, Maas "quer falar com as pessoas afectadas pelo acidente e agradecer às equipas de resgate pelos seus esforços”. 

O Spiegel Online entrevista Isle Everlien Berardo, pastora da Igreja Evangélica de língua alemã na Madeira, desde 1987, revelando que, logo depois do acidente, “ela foi ao hospital ajudar as vítimas”.

“Estavam todos muito tranquilos, claro que em estado de choque, mas muito serenos, porque sentiam que estavam a ser cuidados. Além dos médicos e da equipa de enfermagem, havia muitos ajudantes que se moviam muito rapidamente. Voluntários que falavam português e alemão”, conta Isle Everlien Berardo ao Spiegel Online.

O Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ) revela, no título, que “a maioria das vítimas fez a reserva através de uma empresa de Frankfurt”. Na sua edição online, o semanário Die Zeit avança com a mesma informação, acrescentando que a empresa turística Trendtours Touristik anunciou que prestará apoio às vítimas e aos seus familiares.

Sobre as causas do acidente, o mesmo jornal escreve que “já foi aberta uma investigação” e que o acidente “ocorreu por razões para já desconhecidas”. Citando meios de comunicação locais portugueses o jornal escreve que a causa do acidente que vitimou 29 pessoas pode ser sido um “problema do veículo”.

O portal de notícias alemão, T.online, escreve que “a identificação das vítimas continua”. Já o jornal Welt, explica que algumas das vítimas poderão ser de Rhein-Erft-Kreis, um distrito alemão localizado na região de Colónia​. "Na lista da empresa estavam nomes de pessoas do distrito, mas se estavam de facto nesse veículo ainda não conseguimos confirmar”, diz o jornal citando uma fonte da polícia local.

O autocarro de turismo que se despistou nesta quarta-feira no Caniço tombou sobre uma habitação. As causas do acidente, que fez pelo menos dois feridos portugueses – o motorista e uma guia turística – não são ainda conhecidas. Sabe-se para já, segundo o vice-presidente do governo madeirense, Pedro Calado, que o autocarro era novo (cerca de cinco anos) e tinha sido inspeccionado recentemente. A estrada estava também em boas condições, o que pode significar que a causa do acidente terá sido uma falha mecânica. Esta quinta-feira, o Governo decretou três dias de luto nacional. Com Lusa