Despiste de autocarro na Madeira mata 29 turistas alemães

Viatura saiu da estrada e tombou sobre uma habitação no Caniço.

Fotogaleria
LUSA/HOMEM GOUVEIA
Fotogaleria
Reuters/Redes sociais
Fotogaleria
Reuters/DUARTE SA
Fotogaleria
LUSA/HOMEM GOUVEIA

Um autocarro de turismo despistou-se esta quarta-feira no Caniço, tombando sobre uma habitação e provocando pelo menos 29 mortos e 22 feridos. De acordo com a Protecção Civil, as vítimas são todas de nacionalidade alemã. Até às 22h30, confirmou então ao PÚBLICO Filipe Sousa, presidente da Câmara Municipal de Santa Cruz, o número oficial de vítimas mortais era de 28, tendo depois subido para 29.

Uma das 29 vítimas mortais do acidente no Caniço morreu no bloco operatório do Hospital Dr. Nélio Mendonça, confirmou a direcção clínica hospitalar, em conferência de imprensa. Trata-se de uma mulher de nacionalidade alemã, especificou a mesma fonte, adiantando que das 28 vítimas que foram hospitalizadas, duas já receberam alta médica e três estavam a ser submetidas a operações cirúrgicas.

Entretanto, o governo madeirense decidiu decretar três dias de luto regional (dias 18, 19 e 20) pelos “trágicos acontecimentos” ocorridos no Caniço.

O acidente ocorreu cerca das 18h30, numa curva junto ao cruzamento entre a Estrada da Ponta da Oliveira e a Rua Alberto Teixeira, perto do Hotel Quinta Splendida, quando o autocarro da SAM — Sociedade de Automóveis da Madeira, fretado pela Travel One, caiu por uma ribanceira, capotando e acabando por ser travado por uma casa.

O primeiro balanço oficial do acidente foi feito ao início da noite na sede do Serviço Regional de Protecção Civil da Madeira (SRPCM), onde o seu comandante, o capitão José Dias, especificou que as vítimas mortais são 18 mulheres e 11 homens. A operação de socorro, acrescentou, mobilizou 19 viaturas e 44 operacionais de cinco corporações de bombeiros daquela região autónoma.

As causas do acidente, que fez pelo menos dois feridos portugueses – o motorista e uma guia turística – não foram adiantadas. Sabe-se, disse no início da noite o vice-presidente do governo madeirense, Pedro Calado, numa conferência de imprensa, que o autocarro era novo (cerca de cinco anos) e tinha sido inspeccionado recentemente. A estrada estava também em boas condições, daí estar a ser avançada a hipótese de uma falha mecânica ter estado na origem do despiste. 

“Dor profunda”

No Funchal, em declarações à Agência Lusa, a coordenadora da Comarca da Madeira, Maria de Lurdes Correia, confirmou a abertura de um inquérito para apurar as causas do acidente que teve um forte impacto na Alemanha. O porta-voz do governo de Berlim, Steffen Seibert, falou numa “dor profunda” pelas vítimas da tragédia, comentando no Twitter as “notícias terríveis” que chegaram da Madeira.

Na conferência de imprensa, Pedro Calado, manifestou o pesar das autoridades regionais, destacando a resposta que tem sido dada aos feridos e aos familiares e amigos destes. Equipas de psicólogos acompanhadas de tradutores estão no Hospital Dr. Nélio Mendonça e na unidade hoteleira onde os turistas estavam hospedados, a prestar apoio aos sobreviventes. 

Foram também criadas três linhas de apoio (291 705 777/ 778 / 779) e contactos permanentes com a embaixada alemã.

Os corpos das vítimas mortais vão ser autopsiados numa morgue improvisada por baixo da pista do Aeroporto da Madeira, apurou o PÚBLICO.

Marcelo cancelou viagem

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ponderou deslocar-se para o local, mas acabou por cancelar a ida de modo a ceder os Falcon da Força Aérea para o eventual transporte de feridos para Portugal Continental, apurou o PÚBLICO.

O presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, também já veio lamentar o acidente e “endereçar pêsames a todos os familiares das vítimas mortais”, garantido que da parte das autoridades do Funchal “tudo será feito em prol dos sobreviventes”. De Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa e depois o primeiro-ministro António Costa também manifestaram consternação e enviaram mensagens de condolências.

“Numa hora em que as palavras são sempre poucas para expressar a desolação e a tristeza que assola toda a região, o que se pode fazer é tentar minorar o sofrimento dos que sobreviveram. É isso que se está a fazer”, reforça a nota do executivo insular.

Miguel Albuquerque acrescenta que está em curso uma “operação efectivamente muito delicada, que está a ser liderada pelo Serviço Regional de Protecção Civil, tendo para o efeito sido accionado o plano de emergência no Hospital do Funchal”.

Por seu turno, o representante da República na Região Autónoma da Madeira, Ireneu Cabral Barreto, enviou uma nota de “sinceras condolências” ao embaixador alemão em Portugal.

O autocarro acidentado pertence à Sociedade de Automóveis da Madeira e estava fretado pelo operador Travel One.

O Caniço faz fronteira a oeste com o Funchal. É uma cidade dormitório com forte implantação turística.