Coordenador de serviço de hospital do Funchal acusa colegas de mortes por negligência médica

Serviço regional de saúde madeirense reagiu em defesa dos médicos visados e suspendeu exames a doentes oncológicos, até ser reposta a serenidade do serviço.

Foto
Rui Gaudêncio

Morte de doentes por negligência médica. Incompetência. Favorecimento do sector privado em detrimento do hospital público. Gestão deficiente dos recursos de saúde regionais. Assédio moral e ameaças. As acusações do coordenador do serviço de Medicina Nuclear do Hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal, estão a provocar uma onda de choque no arquipélago.

A primeira consequência das declarações que Rafael Macedo fez na quarta-feira na comissão parlamentar de inquérito ao serviço de Medicina Nuclear, que está a decorrer no parlamento madeirense, foi a suspensão dos exames urgentes a doentes oncológicos que estavam marcados para esta quinta-feira. A segunda, poderá ser uma investigação do Ministério Público.

“Os tratamentos que foram suspensos, estão a ser avaliados, remarcados e reorientados”, confirmou nesta quinta-feira de manhã aos jornalistas a presidente do Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira (SESARAM), Tomásia Alves, adiantando que estão em causa quatro ou cinco exames, e que não existe data para serem retomados.

A decisão de os suspender, disse, foi tomada depois do responsável pelo serviço, Rafael Macedo, ter faltado nos últimos dois dias.

“Os exames serão retomados quando forem devolvidas a serenidade dos profissionais para garantir qualidade dos registos, a segurança dos doentes e a integridade dos profissionais e dos utentes”, adiantou Tomásia Alves, sem se comprometer com datas.

Falando numa conferência de imprensa marcada para reiterar a “confiança total e inequívoca” do corpo clínico do SESARAM, Tomásia Alves repudiou o que garante serem “acusações infundadas, falsas e injuriosas” feitas na véspera por Rafael Macedo.

“As acusações infundadas, de grande irresponsabilidade, são uma ofensa à instituição e aos seus profissionais, com repercussões na credibilidade e confiança e será alvo das medidas adequadas”, sublinhou, ressalvando que foi aberto um inquérito, mas o médico em causa mantêm-se em funções.

O coordenador do serviço de Medicina Nuclear foi quarta-feira à comissão de inquérito, requerida pelo PSD em resposta a uma reportagem da TVI em Fevereiro passado, em que o próprio Rafael Macedo acusa o SESARAM de desviar para uma clínica privada exames e tratamentos que poderiam ser feitos, a custos significativamente mais baixos, no serviço que coordena no hospital público. Perante os deputados, o médico não só repetiu o que tinha dito na reportagem como ainda visou vários colegas por “forte negligência” e de “tratamentos não adequados”.

Episódios, vincou em resposta a um pedido de esclarecimento da presidente da comissão, Fernanda Cardoso (PSD), que levam à morte de doentes. “Pelo que tenho visto, sim”, disse Rafael Macedo, apontando o dedo aos directores dos serviços de Ortopedia, Urologia e Hemato-Oncologia.

Referindo ter dado conta de várias irregularidades à Ordem dos Médicos e ao Ministério Público – alguns partidos também já manifestarem essa intenção – Rafael Macedo diz que tem sido ameaçado e alvo de assédio moral, desde que começou a falar das relações entre o SESARAM e a Clínica de Radioncologia da Madeira, do universo da Joaquim Chaves Saúde.

Nas contas do SESARAM, entre 2009 e 2018, o governo madeirense pagou 22 milhões de euros à Clínica de Radioncologia para a prestação de serviços. Deste montante, contabiliza o Funchal, apenas 10% foi relacionado com a área da medicina nuclear, sendo que o restante foi para tratamentos e exames de radioterapia, um serviço de que o hospital público não dispõe. Rafael Macedo rejeita estas contas. Diz que o serviço que coordena está subaproveitado (funciona apenas a 15%) e que o serviço regional de saúde pouparia milhares de euros por ano, se o utilizasse com mais eficiência.