Bombeiros de Amarante reactivam utilização de cães em operações

Criado em 2007, será agora reactivado o grupo cinotécnico que utiliza cães nas operações de busca e salvamento, auxiliando a protecção civil.

Fotogaleria
fernando veludo / PUBLICO
Fotogaleria
fernando veludo / PUBLICO
Fotogaleria
fernando veludo / PUBLICO

Os bombeiros de Amarante vão reactivar a utilização de cães nas operações de busca e salvamento, no contexto do dispositivo de protecção civil, disse esta terça-feira à Lusa o comandante Rui Ribeiro.

Segundo a corporação, a equipa cinotécnica é constituída por cinco bombeiros, um dos quais do sexo feminino, cada um com um animal devidamente treinado para buscas de pessoas em edifícios colapsados, perdidos em grandes áreas e cadáveres.

A existência de um grupo cinotécnico activo naquela cidade não é novidade, uma vez que em 2007 foi criado o primeiro conjunto, o qual, contudo, por falta de efectivos, acabou por entrar numa fase de inactividade alguns anos depois.

Recentemente foi decido reactivar o trabalho, confiando ao bombeiro José Ribeiro, que fez parte da anterior equipa, a tarefa de transmitir conhecimentos aos novos elementos, a maioria jovens e todos voluntários.

O comandante dos Bombeiros de Amarante fala com orgulho do novo grupo cinotécnico, mas queixa-se da dificuldade de obter formação certificada em Portugal.

“Andamos à procura de formação certificada, que não existe em Portugal, mas com os treinos efectuados a equipa irá ficar pronta, em breve, para ser efectivada [no dispositivo distrital do Porto da protecção civil]”, previu.

Num edifício contíguo ao quartel da corporação, encontra-se o canil formado por cinco celas separadas para os animais.

Nas últimas semanas tem-se intensificado o treino, no âmbito do novo projecto da corporação de Amarante, uma tarefa coordenada por Carlos Macieira.

À Lusa, aquele bombeiro falou de um trabalho que exige tempo para se “conseguir a empatia” dos canídeos. Cada animal precisa de, pelo menos, um ano de treino para ficar apto a exercer a função, acrescentou.

Também o comandante Rui Ribeiro assinala a exigência do trabalho em curso, afirmando que “todo este processo requer gosto e requer continuidade”.

Em breve, provavelmente no próximo verão, referem os responsáveis, a equipa cinotécnica dos Bombeiros de Amarante estará em condições de ser activada para qualquer ocorrência na região do Tâmega e Sousa, como aconteceu no passado.

Amarante é o maior concelho do distrito do Porto e sensível em matérias de protecção civil, devido à existência das extensas áreas florestais, com fortes declives, na serra do Marão. Além disso, o território é atravessado por várias linhas de água de montanha, a mais importante das quais é o rio Tâmega, o maior afluente do Douro.