Afroz Shah tem 36 anos e vive em Bombaim, na Índia
Afroz Shah tem 36 anos e vive em Bombaim, na Índia Paulo Pimenta

Como Afroz Shah tirou mais de cinco mil toneladas de lixo de uma praia em Bombaim

Afroz Shah, o responsável pela “maior acção de limpeza de praia do mundo” em Bombaim, na Índia, esteve no Porto para a Cimeira Climática que também recebeu Al Gore. O advogado indiano quer ver “milhares de Afroz em cada cidade, para que o trabalho se torne mais simples”. “Aos jovens, digo: ‘Assume o teu lugar’.”

Era apenas um dos 22 milhões de habitantes de Bombaim, na Índia. Até que um dia, depois de se mudar para um apartamento em frente à praia de Versova, não aguentou ver uma extensão de areia com mais de 2,5 quilómetros inteiramente coberta de lixo. A praia era um depósito de detritos, mais plástico do que aquele que conseguimos imaginar: uma parede com 1,7 metros de altura de resíduos despejados na areia ou que lá chegaram vindos do mar, também altamente poluído.

O ano era 2015 e o protagonista desta história é Afroz Shah, um advogado que decidiu, sozinho, agarrar num saco e apanhar o lixo. No primeiro dia conseguiu encher cinco sacos — mas rapidamente percebeu que a tarefa o superava. Mas se cada um dos habitantes de Bombaim fizesse o mesmo, talvez esta não fosse uma tarefa de dimensões megalómanas. E o advogado já não precisava de ser o único protagonista.

Assim começou aquela que a Organização das Nações Unidas apelidou de “maior acção de limpeza de praia do mundo” — e a razão pela qual Afroz Shah esteve no Porto para falar à plateia da Cimeira Climática, que teve lugar no Centro de Congressos da Alfândega entre 5 e 7 de Março. Foi o primeiro a subir ao palco na tarde da última quinta-feira, dia marcado pela presença — e pelo discurso — do antigo vice-presidente dos Estados Unidos Al Gore, activista do combate às alterações climáticas e “político em recuperação”. “Chamo a esta minha jornada Date with the Ocean [algo como ‘Encontro com o Oceano’, em tradução livre]. Imagina que estás num encontro com a companhia certa e não queres que termine. É exactamente assim que me sinto”, conta ao P3, em entrevista. “E eu acho que encontrei o parceiro certo”, sublinha, referindo-se ao oceano.

Durante quase três anos, Afroz teve encontros semanais, todos os sábados e domingos, na praia de Versova. E, ao contrário do que aconteceu das primeiras vezes, em Outubro de 2015, não foi o único: algumas dezenas de voluntários passaram a centenas e a milhares, a acção individual passou a movimento — sempre informal, faz questão de dizer. O resultado? Mais de cinco mil toneladas de lixo foram retiradas daquela praia por estudantes, moradores, políticos e estrelas de Bollywood. Pela primeira vez em 20 anos, escreveu o The Guardian em 2018, tartarugas marinhas escolheram Versova para nidificarem.

Aos 36 anos, Afroz concilia tudo isto com o trabalho de segunda a sexta, num escritório de advocacia. Ao fim-de-semana, a sua casa é o centro de comandos das operações dos voluntários, aos quais se junta sempre que pode. “Eu era uma pessoa muito privada, mas a pressão pública está a crescer de forma orgânica”, reflecte, em conversa. Comprometeu-se a entregar o tempo livre a uma causa, a “liderar pelo exemplo”. No Facebook e no Twitter, partilha os objectivos que vai alcançando. Mas confessa-se cansado e a ponderar cortar nas horas dedicadas ao Direito. “O que faço agora é criar milhares de Afroz em cada cidade, para que o trabalho se torne mais simples. Aos jovens, digo: ‘Assume o teu lugar’.”

O advogado assumiu o seu lugar e as Nações Unidas reconheceram-no: em Dezembro de 2016, recebeu da organização a distinção “Champion of the Earth” por ter liderado a limpeza da praia de Versova. “Senti-me confuso: recebi um prémio por apanhar lixo”, recorda, ainda incrédulo. “O meu país tem 1,5 mil milhões de pessoas. Já imaginaram se todas pegassem num saco e apanhassem plástico?” Desde que dedicou o primeiro fim-de-semana a Versova, já contou com a participação de 200 mil voluntários.

PÚBLICO -
Danish Siddiqui/Reuters

“Consistência, persistência e sinceridade” é aquilo que tenta incutir nos voluntários, sobretudo nas crianças e nos adolescentes. “Não basta dizer que vão limpar a praia hoje ou amanhã. É preciso fazê-lo sempre”: limpar uma praia não garante que a praia fique limpa. Afinal, isto é um encontro com futuro, não um bom momento para cair no esquecimento. Os jovens, acredita, não são apenas “os líderes do futuro”; são líderes “agora”, têm voz. “Vejam o exemplo de Greta Thunberg”, aponta. A jovem sueca de 15 anos tem sido notícia desde Dezembro de 2018, quando começou um movimento de greve às aulas pelo clima. O ponto alto será uma greve global, marcada para 15 de Março — e os estudantes portugueses também estão envolvidos. Temos tempo para os ouvir?

Uma questão de escolhas, não de alternativas

Perante a plateia do Climate Change Leadership, Afroz lançou uma provocação: “A escola diz-nos para sermos bem-sucedidos. Mas o que é ser bem-sucedido? É só termos dinheiro?” Faz falta uma “consciência ambiental” — que vai além do dinheiro. É uma questão de escolhas, vai repetindo, não de alternativas. “Querem fazer algo? Cortem no consumo de carne, recusem produtos com plástico descartável, digam não às palhinhas”, enumera, admitindo esforçar-se por “não soar paternalista”. “Comprometam-se!”

A jornada pessoal de Afroz chegou a 70 mil estudantes voluntários na Índia e de uma praia passou para um importante rio, também em Bombaim: numa extensão de 17 quilómetros ao longo do Rio Mithi onde vivem dois milhões de pessoas, os resíduos sólidos de plástico que acabam no mar e nas praias são o mais preocupante. Incentivar uma economia circular e criar um “sentimento de pertença” pode ser o caminho para limpar aquele curso de água — e para tentar impedir que os valores de plástico nos oceanos continuem a aumentar. Anualmente, estima-se que 13 milhões de toneladas cheguem aos oceanos, onde 80% do lixo é plástico. Os últimos dados apontam para a existência de 150 milhões de toneladas de plástico acumulado. E se as taxas de poluição actuais se mantiverem inalteradas, em 2050 haverá mais plástico do que peixes no mar. “Quando estamos numa situação precária e de emergência, é preciso tomar atitudes de emergência. E fazer mais no que diz respeito aos oceanos”, diz Afroz.

Contar a sua história e mostrar imagens do antes e depois de semanas de limpeza é o que tem vindo a fazer. Admite, contudo, que o resultado deste tipo de acções é limitado: “Posso falar para [uma audiência de] duas mil pessoas bem intencionadas e com conhecimento suficiente para perceberem o mal que o plástico faz aos oceanos. Mas é preciso agir no terreno, na prática.” Com isso em mente, sempre que é convidado para ser palestrante em eventos de cariz ambiental, Afroz organiza acções voluntárias em praias ou zonas poluídas. A última foi nas praias de Vila Nova de Gaia, na véspera da Cimeira Climática na Alfândega do Porto, onde a presença de microplásticos no areal e na água se afigura como um problema mais preocupante do que noutros locais, como na Índia, onde os resíduos são de maior dimensão.

Nos últimos quatro anos, enquanto activista, Afroz garante que nunca abordou um político ou membro do governo indiano para se queixar: foram os executivos municipais que decidiram apoiá-lo depois de terem tido conhecimento das limpezas de praias. Mas onde termina a responsabilidade dos cidadãos e começa a dos governos? “São coexistentes”, responde prontamente. “Quem são os mais poluentes? Todos, sem excepção, lidam mal com os resíduos.”

PÚBLICO -
Afroz Shah/Twitter
PÚBLICO -
Afroz Shah/Twitter
Fotogaleria
Afroz Shah/Twitter

E, em jeito de desafio lançado a quem o ouve, insiste em colocar a ênfase no “eu” como quem volta a sublinhar que as acções individuais, os pequenos passos, são uma fatia grande da solução, e deixa a pergunta à qual todos devemos tentar responder: “O que é que eu posso fazer?”