Miguel Manso
Foto
Miguel Manso

Megafone

A minha etnia não é uma fantasia de Carnaval

Uma mensagem ao agrupamento de escolas de Marco de Canaveses, à Câmara Municipal de Marco de Canaveses e a Portugal em relação à (in)existência do racismo.

Era uma noite banal, estava no meu telemóvel e apareceram no Twitter umas fotos de um desfile de Carnaval, cujas pessoas estavam aparentemente vestidas de “chineses”. À primeira vista, nem sequer tinha reparado nesse aspecto, mas foi depois de ler as mensagens dos cartazes nas mãos das pessoas que me apercebi do que é que se tratava. “Socorro! Quero sair desta invasão!”, “Os chineses são espertos, apesar de terem olhos em bico”, diziam. A minha primeira reacção foi de choque. Sei que estes preconceitos existem, mas a manifestação dos mesmos foi tão directa que tive de pensar por uns momentos para processar o que li. As pessoas bem dizem que “é Carnaval, ninguém leva a mal”, mas essa frase nem passou pela minha cabeça. Como é que não poderia levar a mal quando essas mensagens têm um impacto nas pessoas com origem chinesa?

Senti-me desconfortável. As tais fotografias levaram-me ao passado, aos tempos em que não sabia como reagir quando as pessoas gozavam com a minha aparência ou quando elas faziam comentários negativos em relação a nós. Desde pequena, formei uma barreira de defesa em relação a essas atitudes preconceituosas e passei simplesmente a ignorar cada vez que ouvia palavras ignorantes. Não valia a pena ficar triste e perder tempo a pensar nessas coisas — era assim que pensava quando era apenas uma criança.

PÚBLICO -
Foto
Imagem do desfile DR

Porém, naquela noite não consegui ficar indiferente. Simplesmente não podia. Desde que comecei a estudar no Reino Unido, e tendo conhecimento das experiências da minha irmã que estuda nos Estados Unidos, apercebi-me que Portugal tem um problema muito sério em relação ao racismo. O racismo está tão interiorizado que actos que deviam ser considerados como sendo tal, não são. Tudo é considerado uma pura brincadeira. Só porque não expressamos o nosso descontentamento, não significa que aceitamos tais atitudes. Aliás, a maior parte das pessoas não aceita que está a ser racista porque não estão conscientes. Há uma falta de espaço na sociedade para aceitar acusações de racismo quando as mesmas acontecem. Além disso, onde é que está o nosso direito de nos sentirmos ofendidos?

No dia seguinte, contei ao meu pai (que partiu para Portugal há mais de 20 anos) o que aconteceu. A reacção dele foi como a minha — como é que isso pode acontecer e ser publicado na página oficial do Facebook da Câmara Municipal de Marco de Canaveses, como se fosse uma coisa perfeitamente normal? E quando lhe falei da minha intenção de escrever sobre os problemas desse desfile, ele apoiou-me, dizendo: “Nós, os imigrantes, não sabemos muito bem português, por isso não temos a habilidade para responder apropriadamente quando as pessoas estão a ser racistas connosco.”

Eu bem sei o que é essa situação. E, mais do que nunca, quero ser uma das vozes que é capaz de nos representar. Não consigo evitar pensar sobre as coisas que foram ditas quando as pessoas envolvidas estavam a preparar-se para o Carnaval, principalmente aquelas que se vestiram de “chineses.” Sim, somos diferentes. Sim, temos “olhos em bico.” Sim, somos muitos cá em Portugal. Mas conhecem a história que nos trouxe para cá em primeiro lugar? Acham mesmo que os meus pais e outros imigrantes fizeram uma escolha fácil quando decidiram deixar a sua família, e tudo o que tinham para trás, e imigrar para um país tão longínquo da terra deles?

Um dia, explicarei isso tudo como deve de ser. Mas agora, simplesmente, quero chamar a atenção das consequências desse tipo de desfile. Pensem no tipo de cidadãos que querem formar. Pensem na possibilidade de formar pessoas com uma mente aberta, livre de preconceitos. Pensem na possibilidade de uma sociedade portuguesa diversa e rica culturalmente. Ninguém gosta de pessoas intolerantes, certo?

E eu pensarei nas crianças chinesas que nasceram cá em Portugal e que viram esse espectáculo, tentando encontrar a melhor solução para que elas não se sintam desconfortáveis nas suas peles, porque não há nada de errado em ter origem chinesa. Não devemos sentir que temos de negar uma parte da nossa identidade para nos sentirmos mais aceites pela maioria. Podemos ser perfeitamente ambos — portugueses e chineses, tendo orgulho em ambas as culturas.

De facto, precisamos de mais vozes. Precisamos de mais diálogo e de compreensão. Se tu és imigrante ou filho (a) de imigrantes, podemos mudar as coisas. Não ignores, fala quando as pessoas dizem/fazem coisas ofensivas. Temos que acordar a sociedade e promover a consciencialização sobre o racismo que está presente em Portugal. Não vale a pena negar mais. Chega. E talvez, no futuro, as coisas melhorem para as minorias. Deixa a tua voz ser ouvida.

Nota: O post em causa foi entretanto eliminado da página de Facebook da autarquia.