Um Porto mais verde será um Porto mais fresco

Estudo da Universidade de Aveiro recomenda mais áreas verdes, parques e jardins, cobertura vegetal e cores claras no topo dos edifícios para a cidade combater as ondas de calor.

Foto
Projecto do Parque Verde da Asprela DR

Nos últimos anos, os alertas da comunidade científica têm apontado para uma maior frequência de ondas de calor, a nível mundial, com consequências nocivas não só para o ambiente, mas também para a saúde pública. A cidade do Porto não é excepção e esta quinta-feira o Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CEAM), da Universidade de Aveiro recomenda que a cidade deve investir em "mais áreas verdes para combater as ondas de calor”. Um desafio que vai de encontro ao que a cidade está já a fazer, nota o pelouro do Ambiente do município. 

A construção de mais áreas verdes, a expansão de jardins e parques já existentes, a colocação de vegetação e plantas nos telhados e coberturas de edifícios e o uso de cores claras no topo dos edifícios e nos pavimentos urbanos são as propostas do estudo realizado pela equipa de investigadores do CEAM para “baixar as temperaturas urbanas sob ondas de calor” e, consequentemente, a poluição atmosférica. “Estas medidas são capazes de reduzir [a temperatura ambiente] cerca de um ou dois graus celsius”, o que, segundo David Carvalho, um dos autores da investigação, provoca “uma diferença significativa no conforto térmico da população”.

Membro do grupo de previsão e modelação meteorológica e atmosférica da NASA, David Carvalho alerta que, em resultado das alterações climáticas, “é muito provável que [as ondas de calor] venham a aumentar, até a breve prazo, quer em número quer em intensidade” na cidade do Porto e arredores, trazendo consequências nefastas para a população e para o meio ambiente. Por isso, explica, estas medidas “devem ser encaradas pelos agentes do poder local como verdadeiras soluções a pôr em prática no imediato”. 

Na verdade, a discussão sobre espaços verdes tem estado em cima da mesa da autarquia, com iniciativas e projectos que visam uma melhor qualidade ambiental para a cidade. Em 2018, o Porto aderiu ao Pacto dos Autarcas para o Clima e Energia, um movimento mundial cujas cidades signatárias comprometem-se a adoptar medidas de mitigação e a adaptação às alterações climáticas e, simultaneamente, estabelecem uma meta de 40% de redução dos gases com efeito de estufa até 2030. A par disso, até 2021, a Câmara do Porto vai plantar dez mil novas árvores no espaço público da cidade – os chamados "biospots”, uma iniciativa em colaboração coma Área Metropolitana do Porto e a Infra-estruturas de Portugal.

Os incentivos às coberturas vegetais não são, por isso, novidade para a cidade do Porto. Desde 2017 que o município estabeleceu uma estratégia de adaptação às alterações climáticas com cerca de 52 opções, procurando “adaptar a cidade aos extremos climáticos”, refere a câmara. Durante o mesmo ano, aliaram-se à Associação Nacional de Coberturas Verdes dando origem ao projecto Quinto Alçado – um estudo que identificou zonas prioritárias da cidade que podem receber coberturas com vegetação. Existe um “potencial de 25% de novas instalações que procuraremos encorajar e acelerar com regulamentação e incentivos no processo de revisão do Plano Director Municipal do Porto”, relata o município.

Em curso, estão ainda a obra do novo terminal intermodal de Campanhã, que irá ganhar um parque verde, e o projecto da ilha verde da Asprela, a zona semi-abandonada perto da Faculdade de Desporto que será um parque reordenado, aproveitando as 754 árvores existentes e acrescentando mais 645, de várias espécies.