Mina de Aljustrel: "Falha de segurança" poderá explicar acidente que fez um morto

Carrinha em que seguiam dois trabalhadores caiu num fosso. Um dos homens morreu, o outro foi transportado para o hospital. ACT abriu inquérito para investigar o que esteve na origem do acidente.

Foto
Mina de Feitais, em Aljustrel, distrito de Beja DR

Uma pessoa morreu e outra ficou em estado grave num acidente nas minas de Feitais, em Aljustrel, distrito de Beja, na manhã desta segunda-feira. O acidente aconteceu quando a carrinha pick-up em que seguiam caiu num fosso de grande profundidade nas minas. A vítima mortal é um trabalhador de 46 anos e o ferido grave, com 26 anos, foi levado para o hospital de Beja.

Fonte da GNR relatou à Lusa que a carrinha, onde se encontravam os dois trabalhadores, caiu num fosso com uma profundidade "entre os 30 e os 40 metros".

O alerta foi dado ao INEM às 11h05 e à Protecção Civil às 11h11. Estiveram envolvidos na operação 23 operacionais, oito veículos e um helicóptero (do hospital de Évora), que não chegou a ser utilizado. 

Luís Cavaco, do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira (STIM), referiu ao PÚBLICO que o acidente “terá ocorrido na sequência de uma falha de segurança”. O sindicalista apenas confirmou que uma viatura de transporte de pessoal “caiu num desmonte [fosso] com cerca de 40 metros de altura”. Às 13h30 não tinha mais dados sobre a amplitude do acidente.

O sindicalista interpretou o movimento gerado nos meios de socorro como indicativo de que algo de “muito grave” ocorreu no interior de uma galeria que vai dar a um desmonte, frisando que o tipo de acidente ocorrido pode “revelar descuido ou falta de sinalética numa zona que poderia ser de perigo eminente”.

"O perigo está sempre à espreita"

Os depoimentos recolhidos com frequência junto de trabalhadores mineiros falam de “problemas associados à falta de segurança” num ambiente de trabalho “onde o perigo está sempre à espreita”, observa Luís Cavaco, também ele mineiro na mina de Neves Corvo.

O dirigente advertiu que a falta de segurança é recorrente na mina de Aljustrel, destacando situações que podem também ser associadas “à falta de formação” dos trabalhadores mineiros. “Se houve uma morte e um ferido grave, é porque houve falta de segurança” acrescenta o sindicalista.

João Negro, de 26 anos de idade, é o nome do trabalhador que ficou gravemente ferido. Encontra-se internado no Hospital José Joaquim Fernandes em Beja, em estado considerado “grave” mas em situação estável. É natural de Ervidel, freguesia do concelho de Aljustrel. O trabalhador que morreu no acidente, Joaquim Guerreiro, tinha 46 anos, era natural de Alvalade Sado e casado. Deixa três filhos um deles menor. Ambos eram mecânicos e foi no desempenho da sua função que terá ocorrido o acidente, quando o seu objectivo seria a reparação de uma máquina industrial.

Desde 2017, incluindo já a vítima desta segunda-feira, morreram dois trabalhadores em acidentes na mina de Aljustrel, para além de se terem registado “vários feridos graves” alerta Luís Cavaco, que reclama uma intervenção mais assertiva da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) na fiscalização das condições de segurança no couto mineiro. 

Inquérito da ACT e das empresas envolvidas

A ACT abriu, de facto, um inquérito para averiguar as circunstâncias em que ocorreu o acidente nas minas de Aljustrel, disse fonte do organismo. O director da Unidade Local do Litoral e Baixo Alentejo da ACT, Carlos Graça, indicou que, após ter sido recebida a informação, uma equipa de inspectores da ACT deslocou-se para o local para proceder a averiguações do acidente.

Carlos Graça explicou que o inquérito para desenvolver as averiguações foi aberto de imediato. "Quando há acidentes com vítimas mortais, a ocorrência fica em segredo de justiça e não podemos adiantar mais nada", acrescentou o responsável da ACT. 

A empresa Almina - Minas do Alentejo, que detém a concessão do couto mineiro, explicou em comunicado que os dois trabalhadores são da empresa EPDM - Empresa de Perfuração e Desenvolvimento Mineiro. Trabalhavam na manutenção mecânica, a cargo de um empreiteiro.

Em comunicados distintos, a Almina e a EPDM - Empresa de Perfuração e Desenvolvimento Mineiro adiantaram terem aberto inquéritos de para determinar as causas do acidente. Com Lusa