Opinião

Uma magnífica oportunidade

A Universidade de Coimbra tem história, mas precisa de futuro. A eleição de um novo reitor é uma oportunidade de se renovar.

Que a Universidade de Coimbra não está bem é revelado, por exemplo, pela sua queda do top 500 do prestigiado ranking de Xangai. Segundo o PÚBLICO de 15/8/2018, essa lista, encabeçada pela Universidade de Harvard, inclui nos primeiros 500 lugares apenas quatro universidades portuguesas: Lisboa, Porto, Aveiro e Minho. Coimbra, que estava no top 500 desde 2013, ficou de fora. Se se atentar aos critérios, todos eles objectivos, que contam para a lista (docentes e investigadores com prémios prestigiados e muito citados, total de artigos científicos produzidos e publicados na Nature e na Science e contidos em índices internacionais), percebe-se que há um problema com a investigação. Para o confirmar basta olhar para um outro indicador: dos 14 investigadores nacionais que estão no top 1% das suas disciplinas, nenhum está em Coimbra.

Mas há outros problemas, designadamente a ligação à cidade, que contrasta com o que se passa nas cidades acima referidas. Coimbra tem vindo, desde há largos anos, a perder relevância e visibilidade nacionais, tendo as últimas gestões camarárias sido incapazes de, coligadas com a Universidade, promover as necessárias mudanças. De nada vale à urbe ter um bom hospital universitário, se os acessos são estrangulados e o estacionamento é caótico. De nada vale ter um Parque de Inovação se está vazio. Ao contrário de outras cidades de província, Coimbra não tem sequer uma gare ferroviária e outra rodoviária dignas, nem um tribunal e uma penitenciária em condições. A Baixa está uma ruína e a Alta está grafitada. A cultura, que noutros sítios é levada a sério, à beira do Mondego é considerada um espectáculo de magia. O “metro Mondego” e o “aeroporto internacional de Coimbra” não passam de miragens, truques criados por políticos prestidigitadores.

A Universidade tem agora, que vai ser eleito um novo Reitor, uma oportunidade de se renovar. Está nas suas mãos escolher o futuro, que terá de passar, como nos sítios mais desenvolvidos, por uma maior aposta na investigação e na inovação. Por outro lado, a cidade e o país teriam a lucrar com uma intervenção mais afoita da Universidade nos modernos desafios da polis. Se em Coimbra há competências na Medicina, nas Ciências e Engenharias, no Direito, nas Letras e nas Artes, porque não são elas mais aproveitadas pela comunidade?

Não pertenço ao Conselho Geral que vai eleger o próximo Reitor e estou certo que esse Conselho fará a necessária ponderação do que mais interessa à instituição e à sociedade. Analisei, porém, com atenção os programas dos quatro candidatos que se propuseram, com generosidade e coragem, aceitar um repto que não é fácil. Quase a terminar a minha vida académica, e porque sinto ser meu dever de consciência, não me isento de emitir opinião. Concorreram uma astrofísica brasileira, simpática, mas a anos-luz do que aqui se passa e não passa (o seu lema é bom — “Coimbra, a Universidade do futuro” — mas ela não sabe como); um farmacêutico, que é em larga medida responsável, como vice-reitor da investigação nos últimos oito anos, pelo descalabro que o ranking de Xangai e outros indicadores revelam (o seu moto é olímpico — Citius, Altius, Fortius — apesar de ele não ter atingido, na ciência, os mínimos olímpicos); um historiador da religião, muito sábio a respeito do passado, mas pouco sabedor do futuro de que a Universidade carece (em “Honrar o passado, enfrentar o presente, projectar o futuro”, fica menos de um terço para o futuro); e um engenheiro informático, que é, claramente, o que oferece mais ideias e soluções quer para a reorganização da investigação e inovação, quer para o fortalecimento dos contributos societais da alma mater (“Mudar para ganhar o futuro” é a sua frase motora).

A Universidade de Coimbra tem história, mas precisa de futuro. Dou exemplos de como transformar essa história em futuro: a marca “Património Mundial da Humanidade” devia servir de alavanca de cultura em vez de caixa registadora do turismo. O Museu da Ciência, com um espólio valiosíssimo, devia unir a Universidade e a Câmara. As bibliotecas riquíssimas, a começar na Joanina, deviam formar, no seu conjunto, uma segunda Biblioteca Nacional, com um programa de digitalização que espalhasse a língua portuguesa no ciberespaço. Para tudo isso e muito mais, a escolha que se avizinha é uma magnífica oportunidade.