Homem suspeito de matar filha e sogra encontrado morto

A criança tinha desaparecido na segunda-feira de manhã. O pai, principal suspeito de ter matado a sogra, teria raptado a filha depois do crime. Chamada para o INEM, possivelmente feita pelo pai, deu a localização da criança.

Foto
O carro onde foi encontrado o corpo, o Peugeot preto no centro da imagem, foi rebocado ao final da manhã Rui Gaudêncio

Uma criança de dois anos foi encontrada morta na manhã desta terça-feira dentro de um carro num parque de estacionamento em frente à Escola Básica e Secundária João de Barros, em Corroios, no Seixal. A informação foi confirmada ao PÚBLICO pelo Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal, que diz tratar-se da mesma criança que tinha sido raptada na segunda-feira.

O suspeito é o pai, que tinha fugido com a criança depois de matar a sogra, de 60 anos. O homem foi encontrado morto na zona de Castanheira de Pêra, zona de onde era natural, apurou o PÚBLICO junto de fonte policial. O suspeito estaria junto à casa dos pais e terá cometido suicídio com um tiro de caçadeira. O corpo foi encontrado por uma pessoa que passou no local.

O corpo da criança foi encontrado dentro do porta-bagagens do carro depois de o INEM ter recebido uma chamada, possivelmente feita pelo pai, com a informação do local onde estaria a menina de dois anos. Fonte do INEM adiantou ao PÚBLICO que o alerta foi recebido às 8h25 desta terça-feira. 

PÚBLICO -
Foto
No local está montado um perímetro de segurança Rui Gaudêncio

O óbito foi confirmado no local, mas o director adjunto da Polícia Judiciária, Carlos Farinha, diz ao PÚBLICO que a causa da morte da criança ainda não é conhecida.

De acordo com informações apuradas pelo PÚBLICO, a corpo da criança não apresentava sinais de violência, mas os indícios recolhidos pelas autoridades apontam para que a morte tenha ocorrido ainda durante o dia de segunda-feira. O suspeito terá contactado a ex-mulher por telefone a dar conta da morte da criança e, durante a chamada, terá também feito ameaças.

Para o local foram accionadas uma ambulância do INEM do Seixal, uma viatura de emergência médica de Almada e agentes da PSP. Uma equipa de psicólogos foi também accionada para prestar apoio à família afectada pelos acontecimentos.

PÚBLICO -
Foto
O homem terá ligado para o INEM a dar conta da localização do corpo da filha Rui Gaudêncio

O carro onde foi encontrada a criança estava estacionado junto a outros veículos no parque de estacionamento de terra batida em frente à Escola de João de Barros. Foi rebocado pelas 11h45.​

Para ontem, segunda-feira, estava marcada, no Tribunal de Família e Menores do Seixal, uma sessão destinada a regular as responsabilidades parentais sobre a criança. O casal não se entendia sobre o tempo que a criança devia passar com cada um dos pais, mas a situação da família não estava assinalada na Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Protecção das Crianças e Jovens.

Pelas 8h30 de ontem, a PSP foi alertada, por moradores, para um caso de violência doméstica no prédio onde vivia a sogra do pai da menina agora encontrada morta e que foi raptada pelo pai.

Bárbara Teixeira, de 21 anos, vizinha do andar de cima da família, contou ao PÚBLICO o que testemunhou por volta das 7h30/8h00: “Estávamos todos a dormir. Acordámos com um estrondo. Parecia uma porta, viemos às escadas. Levantei-me. Ouvi um grito, abri a porta. E vi as vizinhas do 1.º esquerdo. O homem sai a correr, desce. Foi muito rápido, porque ele empurrou as minhas vizinhas.”

Bárbara Teixeira conta que foi tentar ver o carro, tomou nota de parte do número da placa de matrícula e diz ter visto a menina no carro, ao lado do condutor, meio deitada. “Via muitas vezes a avó, Helena, a descer com a neta, Lara. A Sandra [a mãe da menina de dois anos], não via tanto.” A mãe de Bárbara diz que chegou mesmo a ver o homem a sair com vestígios de sangue nos sapatos. “E a gente viu que havia sangue dentro de casa.” Foi por essa razão que deram o alerta para o INEM. com Mariana Oliveira