PAULO PIMENTA
Foto
PAULO PIMENTA

O que mais preocupa os jovens é a falta de emprego e a educação

Segundo um inquérito da UNICEF realizado a 10 mil jovens de 160 países, os jovens querem e precisam de mais emprego e de uma melhoria na educação, mas também de competências digitais, tecnologia verde, gestão e empreendedorismo.

Mais oportunidades de trabalho e melhor educação são as principais preocupações dos jovens que foram reveladas num inquérito realizado pela UNICEF, do qual a organização afirma emergir um desafio muito claro para os líderes mundiais, reunidos esta semana em Davos, Suíça. O inquérito online foi realizado em Dezembro e abrangeu 10 mil jovens de 160 países.

"Há actualmente 1,8 mil milhões de jovens entre 10 e 24 anos de idade. Todos os meses, dez milhões atingem a idade de trabalho e percebem que as competências valorizadas no passado não se enquadram nas necessidades do mercado actual", afirma a directora executiva da UNICEF, Henrietta Fore, num comunicado divulgado pela organização, coincidindo com a realização da edição deste ano do Fórum Económico Mundial.

A mesma responsável defende que os jovens querem e precisam de competências digitais, modelos de agricultura moderna, tecnologia verde, gestão e empreendedorismo.

"Numa comunidade cada vez mais global, continuar a fazer tudo da mesma forma não é suficiente", defende a directora da UNICEF, chamando o sector privado a desempenhar "um papel fundamental" para colmatar as lacunas existentes e dar aos jovens as oportunidades de que precisam. As opiniões expressas no inquérito apontam para "uma crise na educação e nas competências".

De acordo com os dados apresentados, existem 71 milhões de jovens desempregados. Mais de 150 milhões estão a trabalhar, mas vivem com menos de três dólares por dia.

"Globalmente, seis em cada 10 crianças e adolescentes não atingem a proficiência mínima em leitura e matemática e 200 milhões de adolescentes não vão à escola", lê-se no documento.

A principal prioridade apontada no inquérito (35% das respostas) foi no sentido de mais oportunidades de trabalho, enquanto o segundo pedido mais importante (26%) foi uma melhor educação.

Proteger o planeta e os recursos naturais foi a questão considerada mais importante por 16% dos inquiridos, 15% pretendia mais apoio para a agricultura e o empreendedorismo e 8% solicitou melhor acesso a tecnologia. Quase metade (47%) referiu que a globalização aproxima as pessoas, mas para 36% está a aumentar a distância entre ricos e pobres.

Mais de três em cada cinco dos inquiridos (63%) acham que os líderes empresariais podem fazer mais para ajudar os jovens a serem bem-sucedidos no mundo globalizado de hoje.

Responderam ao inquérito pessoas com menos de 35 anos, a grande maioria (96%) abaixo dos 30 anos de idade. O sexo masculino está em maioria (61% das respostas), enquanto o feminino representa 37% da amostra.

Por regiões, África teve o maior número de entrevistados (28%), seguindo-se a Ásia (23%), Europa (23%), América Latina (19%), Médio Oriente e Norte de África (6%) e América do Norte (4%).