Emagrecimento e desempenho sexual: mais de metade dos produtos analisados pelo Infarmed são falsificados

Nos primeiros dias de 2019, o Infarmed anunciou que quatro produtos para emagrecimento eram ilegais por conterem substâncias que só podem ser usadas em medicamentos.

Foto
xx direitos reservados

Nos últimos anos foram analisados mais de 500 produtos nos laboratórios do Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed). Desses, mais de metade são falsificados. A maioria são produtos para emagrecimento ou para a melhoria do desempenho sexual, diz o Infarmed em respostas escritas enviadas ao PÚBLICO nesta sexta-feira.

"Estes produtos estão adulterados ou com substâncias proibidas ou com substâncias com actividade farmacológica, não declaradas no rótulo, que apenas podem ser utilizadas em medicamentos", detalha a entidade. 

Só nos primeiros dias de Janeiro, o Infarmed já emitiu avisos sobre quatro produtos para emagrecimento ("PowerFite", "Diet Slim""Redux -Redutor de Medidas" e "Composto Natural Dieta"). Todos por conterem substâncias ilegais que só estão autorizadas em medicamentos. 

No caso do "Redux - Redutor de Medidas", por exemplo, o Infarmed explicou que "as cápsulas contêm substâncias destinadas ao tratamento da hipertensão, obesidade, obstipação e ansiedade".

No primeiro semestre de 2018, o Infarmed emitiu 4229 pareceres: 1709 para reter produtos para destruição, cinco para recolha para colheita e 2298 onde aconselhava a devolução ao remetente. No total, foram retidas ou devolvidas ao remetente 212.070 unidades. Os números são superiores ao ano de 2017, quando a Autoridade Nacional do Medicamento emitiu 1418 pareceres e reteve ou devolveu 193.582 unidades.

A maioria dos medicamentos detectados nas alfândegas nacionais durante primeiro semestre de 2018 distribuem-se por várias categorias: disfunção eréctil (19,5%), sistema nervoso e psicofármacos (18,8%), analgésicos (8,9%), aparelho gastrointestinal, incluindo antidiabéticos orais e insulinas (4,4%). Em 2017, os medicamentos para a disfunção eréctil (19%) também estavam no topo da lista. Seguiam-se os analgésicos (19%), anti-inflamatórios (15%), outros (11%), medicamentos destinados ao sistema nervoso e psicofármacos (10%).