Hans Reniers/Unsplash
Foto
Hans Reniers/Unsplash

Megafone

Despesismo I&D: a pseudo-ciência do queimar dinheiro para inglês ver

Investigadores e investigadoras acabam por não fazer investigação e tornam-se, cada vez mais, ou escravos do género “ficção para propostas de financiamento” (cada vez com mais títulos disponíveis, qualquer dia temos Nobel), ou frustrados para sempre.

A Ciência abre-nos portas e janelas para desvendarmos (quase) tudo o que nos rodeia, nas suas mais variadas escalas temporais e espaciais. É, a par da arte, música e literatura, uma das mais fantásticas actividades humanas. Permite-nos questionar, pensar, testar e colaborar, de igual para igual, para atingir objectivos muito maiores do que qualquer um de nós. Mas, como qualquer actividade humana, está sujeita não só ao melhor mas também ao pior do que temos para dar. Ao aproveitamento de quem prefere parecer a ser, ao despesismo como forma de ignorar a frustração profissional e alimento de egos, e à herança de ter sido, durante tempo demais, uma actividade apenas ao alcance da elite e do privilégio.

São muitas as formas de se queimar dinheiro para manter as aparências. Por um lado, temos os congressos internacionais que se seguem, por vezes semana após semana, onde essencialmente muitas das mesmas pessoas viajam para as mais variadas partes do mundo e apresentam os mesmos resultados, ao estilo de disco riscado. As mesmas pessoas que, durante o congresso, ou flirtam politicamente (a pensar em receber mais financiamento e “subirem” na consideração de X ou Y ou em apanharem “boleias” cientificas), ou discutem agressivamente sem nunca chegar a um consenso. O que é mais belo em tudo isto é observar directamente o campo gravítico aparente das pessoas “com poder”, tal é a quantidade de satélites a orbitar à sua volta a toda a hora. Tudo isto, claro, é 100% humano, e nada tem que ver com ciência. E a esperança existe, claro: ela reside nos muitos que (felizmente) ignoram tudo isto e fazem investigação por ser algo desafiante, belo, e que, juntos, nos permite ver para além do horizonte.

Depois há ainda os próprios processos de avaliação à século XIX ou XX. Um sistema que leva a um aumento acelerado da burocracia e dos burocratas e dá poder a um conjunto limitado de pessoas. Para além disso, mantém em alvoroço e em conflitos permanentes os cientistas famintos de financiamento e intensifica ainda mais os jogos políticos e/ou por detrás dos bastidores. Os painéis de avaliação multiplicam-se, mas por mais elementos que tenham eles simplesmente não vão ler, não vão entender, nem vão ser imparciais, pelo menos não na medida em que cada uma das propostas realmente merece. Não é por mal: é simplesmente impossível, porque são todos humanos. E tudo isso deita por terra o tempo e investimento (dinheiro) que investigadores dedicam a escrever propostas sem fim para “obterem financiamento”. Tudo isto faz com que investigadores e investigadoras não façam investigação e se tornem, cada vez mais, ou escravos do género “ficção para propostas de financiamento” (cada vez com mais títulos disponíveis, qualquer dia temos Nobel), ou frustrados para sempre.

Por fim, talvez o mais triste seja ouvir, cada vez mais, conselhos sobre como “vender” ciência e projectos, e cada vez menos discussões de ciência. Sobre “como ganhar financiamento”. Como se para fazer Ciência fossem mais importantes os euros moles do que a integridade, a curiosidade, a capacidade crítica e criativa; a independência científica. O dinheiro mole ganho assim (seguindo receitas que nada têm necessariamente que ver com mérito) derrete-se como manteiga e torna as ideias tão escorregadias que os impostos de quem tanto suou se transformam em pouco mais do que fogo-de-artifício de banha da cobra. Que se invista mais, mas sobretudo melhor, em Ciência, para que o mais importante seja a investigação e não o marketing e que o fazer e ser seja valorizado muito acima do “parecer ser”.

Há que respeitar cada euro, cada recurso, cada pessoa. Perceber que o mais importante são as pessoas, o seu mérito e o seu potencial que importa valorizar e potenciar. Deixemo-nos de manobras de marketing e valorizemos a melhor investigação pela investigação. Temos de ser capazes de, cada vez mais, apontar o que não está bem e enfrentar frustrações, derrotas, falhanços, para sermos muito mais capazes de celebrar sucessos e reconhecer ganhos. Deixemos de premiar aqueles que ganhando financiamentos consideráveis apenas se preocupam em gastar recursos para Inglês ver. Premiemos ao invés os e as cientistas que querem fazer ciência e encarar o desconhecido beneficiando-nos a todos. Sejamos capazes de ir para além de um presente do faz-de-conta em que demasiadas vezes se faz chover dinheiro em dilúvios curtos e quase tudo vai pela sarjeta abaixo. Apontemos, pelo contrário, a um futuro muito mais real, responsável e cheio de potencialidades, onde o retorno de cada euro investido em ciência de uma forma bem mais continua é algo que todos podem concordar ser algo “que não tem preço”.