Mais um taxista detido por ter enganado passageiro

Desde sábado já foram presos seis taxistas por crime de especulação.

Foto
Enric Vives-Rubio

Mais um taxista foi detido nesta segunda-feira pela PSP por crime de especulação, elevando para seis o número de detenções destes profissionais registadas desde sábado e todas pela mesma razão: estarem a cobrar mais do que o devido a cidadãos estrangeiros no transporte a partir do aeroporto Humberto Delgado, na capital.

Em comunicado, o Comando Metropolitano de Lisboa da PSP indicou que a detenção desta segunda-feira se efectuou às 09h20 na Avenida Fontes Pereira de Melo, em Lisboa. O taxista detido estava a transportar um cidadão de nacionalidade brasileira, que apanhou no aeroporto de Lisboa e tinha como destino um hotel localizado naquela avenida.

Segundo a PSP, todos os detidos iniciaram o serviço na zona de chegadas do aeroporto. O comando metropolitano tinha anunciado neste domingo que ia reforçar as operações de fiscalização de taxistas.

Apesar destes percalços, a plataforma Mytaxi apresenta Lisboa como sendo uma das cinco cidades europeias com as viagens de táxi mais baratas do aeroporto até ao centro, troféu para o qual também contribui o facto desta infra-estrutura estar implantada no interior da cidade.

Ainda no que respeita à actividade da PSP, o comando metropolitano informou que foram detidos, também neste domingo, dois primos carteiristas. A detenção efectuou-se às 11h40 na zona do Castelo, em Lisboa.

Os dois primos, com 45 e 40 anos de idade, já eram conhecidos da polícia, que os vigiou enquanto tiravam uma carteira com 565 euros do interior da mochila de uma turista eslovena. Esta só se apercebeu do furto quando os polícias interceptaram os carteiristas, que, devido a crimes idênticos, anteriores já tinham sido proibidos pelo tribunal de frequentar a baixa de Lisboa, estando obrigados a apresentações diárias na PSP.

O Jornal de Notícias noticiou neste sábado, com base em dados fornecidos pela polícia, que nos primeiros 10 meses deste ano a PSP efectuou 977 detenções por furto de carteiras, o que corresponde a um aumento de 89% face a igual período de 2017.