O Borda d’Água faz 90 anos e ainda ajuda vendedores a pagar a renda

Diz quem compra que a previsão de chuva “bate quase sempre certo”. O “verdadeiro almanaque” com repertório “útil a toda a gente” é feito na editorial Minerva, em Lisboa. Criado para agricultores, é hoje lido por vários tipos de leitores. A Lua é o grande farol desta publicação vendida por muitos que andam a pedir na rua.

Fotogaleria
Almanaque é impresso, dobrado e empilhado moda antiga, com cordéis, na Editorial Minerva NUNO FERREIRA MONTEIRO
Fotogaleria
Marina Antunes está no negócio desde que nasceu NUNO FERREIRA MONTEIRO
Fotogaleria
Hoje são cerca de 270 mil exemplares, mas tiragens chegaram a 350 mil NUNO FERREIRA MONTEIRO
Fotogaleria
Um detalhe: a ferradura vermelha distingue o original dos falsos NUNO FRREIRA MONTEIRO

Pode ou não vender o Borda d’Água, mas António da Silva, 61 anos, consegue sempre receber algumas moedas. Vésperas de Natal, compraram-lhe apenas dois exemplares – 2,30 euros cada, só metade é que foi lucro. Em esmolas conseguiu bem mais: entre 20 e 30 euros. “Há pessoas que não querem comprar, mas dão [dinheiro]; há outras que dão cinco euros para comprar, outras que não querem o troco”, conta no dia a seguir ao Natal, à porta da estação de comboios em Sete Rios.

Coxeando, António Silva, reformado pensionista, ex-servente de pedreiro, precisa de canadianas por causa de um acidente de trabalho: há anos o eixo de uma grua tombou para cima dele, conta-nos, enquanto sobe umas escadas com dificuldades.

Hoje circula pelas carruagens do metro de Lisboa com os Borda d’Água numa mala ao peito, a apregoar: “Ajudem-me por favor, um cêntimo que seja, mesmo que não queiram comprar nada. Ao menos um bocadinho de pão que seja.” Diz sobre o almanaque: “Mercado, jardinagem, marés”.

Em 2019, o Borda d’Água faz 90 anos. Ainda hoje ajuda a pagar rendas. António da Silva vive no Bairro Alentejano, em Penalva, e dia sim, dia não vem a Lisboa, para vender “o verdadeiro almanaque” como está escrito na capa. Assim complementa a sua reforma. Se fica parado, por exemplo, não consegue mais do que uma ou duas moedas; é por isso que, apesar das dificuldades de locomoção, escolhe circular de carruagem em carruagem, até ao Rossio, passando nas linhas azul, verde e azul.

A venda e peditório não funcionam em todas as linhas: a vermelha, que vai para o aeroporto, não costuma ter gente que o ajude, “é mais estrangeiros”.

“É um repertório único de interesse geral”, apregoa de novo para os potenciais clientes do Borda d’Água ouvirem. “Traz tudo sobre signos, jardinagem, agricultura, marés, contém todo o repertório de interesse geral, do astronómico ao religioso.”

Sentada num banco dentro do metro, Ilda Neto chama António Silva, passa-lhe moedas, pede o almanaque. Assistente operacional na ilha da Madeira, gosta do Borda d’Água por causa das indicações para a horta que tem em casa onde cultiva milho, feijão, cana-de-açúcar. Compra o Borda d’Água para saber quando pode preparar a terra para o milho ou a batata. “Venho ver as luas. Faz diferença. Depende do que a gente planta”, comenta.  

Para "memória futura"

Na porta de vidro da loja de Rohit Himatlal, no Martim Moniz, está colada a primeira página do Borda d’Água. O dono chama-lhe um mini-hipermercado. É aqui, onde se vendem desde utensílios de cozinha a perfumes, de pastilhas elásticas a produtos para o cabelo ou fita-colas, que António Silva vem buscar os seus exemplares para vender na rua.

Há 18 anos que esta drogaria de revenda e venda ao público distribuiu o Borda D’Água. “Havia muito vendedor de rua do Rossio que se abastecia aqui de coisas pequenas. O Borda D’Água era muito pedido”, conta Rohit Himatlal, 48 anos, português de origem indiana nascido em Moçambique.

Quando começou a distribuir o almanaque, Rohit Himatlal não tinha percebido que se vendia tanto. Chega a haver alturas em que se torna o produto da sua loja com mais saída – por exemplo, próximo da feira da Golegã “vende-se bastante, porque apanha muito agricultor”. Estamos a falar de vendas de 25 a 30 mil exemplares num ano.

Dias para plantar, o horóscopo, as horas do pôr-do-sol, as fases das Lua: é isto que as pessoas procuram no almanaque, comenta. Muitos também compram porque os pais já o faziam, torna-se tradição, continua o vendedor. Também há a “nova tendência de as pessoas fazerem as hortas” nos seus quintais em Lisboa e o almanaque é útil para isso. A vantagem é que “não é um jornal, não se deita fora, fica lá para memória futura”, comenta.

Mais do que venda directa do almanaque, a drogaria de Rohit Himatlal funciona sobretudo como ponto de distribuição. Vende para quiosques ou papelarias. Marina Antunes, 58 anos, é uma das compradoras. Está sentada em frente ao seu quiosque nos Restauradores onde se empilham livros antigos, cromos, calendários dos vários clubes de futebol e de animais, mapas, livros aos quadradinhos, lenços de papel e o Borda d’Água. Passam vários turistas, mas poucos param. “A minha mãe já vendia. Começou do chão, depois em tabuleiros e depois no quiosque.”

É caso para dizer que Marina Antunes está no negócio desde que nasceu. “Só tive três dias em casa, vinha todos os dias para a venda com a minha mãe”, conta. Fez a quarta classe e seguiu depois as pisadas da mãe na rua. As coisas amontoam-se desordenadas dentro do quiosque, algumas publicações são visivelmente antigas. Ela, doente, lamenta não conseguir ter as coisas arrumadas. O negócio do quiosque está em declínio, mas dá para ir sobrevivendo. “O Borda d’Água foi sempre o mesmo, foi sempre vendável. A maioria das pessoas que compram são as pessoas antigas. Já se vendeu mais, mas vende-se na mesma”. Marina Antunes também é leitora e garante que é uma “mais-valia” para tudo. “Se chove ou não, bate quase sempre certo.”

Cerca de 270 mil exemplares

Narcisa Fernandes, a editora e directora do Borda d’Água, sabe que a venda do almanaque ajuda muitas pessoas. Inclusive ajuda alguns a pagar a renda, comenta, na Rua da Alegria, onde o almanaque é impresso, dobrado e empilhado moda antiga, com cordéis. As receitas correspondem a uma grande fatia do lucro da Editorial Minerva - pode mesmo dizer-se que também ajuda a editora a sobreviver.

Criado para agricultores, o Borda d’Água é hoje lido por vários tipos de leitores, explica a directora. Hoje pode não ter tiragens de 350 mil exemplares como um dia chegou a ter, mas não deixa de ser menos popular - agora são cerca de 270 mil. “Ainda não temos as máquinas [a imprimir] e já nos estão a telefonar”, comenta.

De Julho e até Dezembro são os meses em que vende mais. A partir do Carnaval, as vendas caem.

Na capa do Borda d’Água há um senhor com um chapéu, óculos, bengala e fraque. Um detalhe: a ferradura vermelha distingue o original dos falsos, explica Narcisa Fernandes, que está na Editorial Minerva há 52 anos, ou seja, desde os 14. Tem havido muita contrafacção com fotocópias. “Já perdi a conta dos processos em Tribunal”, comenta. “Agora ponho uma cor por trás [uma bola a simbolizar a Lua cheia] que é difícil de fotocopiar.”

A directora começou como aprendiz, a carimbar os Borda d’Água, acompanhando Artur Augusto Campos, que esteve à frente do Borda d’Água durante cerca de 40 anos. Ela ia batendo à máquina e fazendo as correcções.

Foi ela quem decidiu por à frente do almanaque uma mulher em 2008. Há quatro anos assumiria a edição. “Tem dado certo. O meu receio era nas previsões do tempo. Em 2018 disse que o ano ia correr como antigamente e o que é certo é que este ano tivemos Primavera, Verão, Outono e agora o Inverno.”

Para 2019, prevê que o ano será parecido com 2018, isto pelas “contas que fez com as fases da Lua” e com os sete dias da semana. A fórmula para calcular a meteorologia? “É segredo.”

Mas comenta: “A nossa vida é uma bola. Se formos ver o passado e o tempo se calhar vamos encontrar novamente as mesmas coisas.”

A Lua é o farol do almanaque que prevê o tempo

As previsões do Borda d’Água dão um 2019 auspicioso. O “Juízo do Ano”, texto que vem sempre na contracapa, diz que vai ser o planeta Marte a reger o início de 2019, e isso quer dizer que estarão presentes “sentimentos competitivos e de conquista”. No horóscopo chinês, o ano pertence ao Porco, ou seja, chega ao fim um ciclo de 12 signos daquele zodíaco e por isso espera-se um “ano feliz”. Será também o Ano Internacional das Línguas Indígenas e o Ano Internacional da Moderação.

A 1 de Janeiro o Sol nasce às 7h55 em Lisboa e no Porto cinco minutos depois. Aumentam os dias naquele mês em 43 minutos - se for Lisboa - e em 47 minutos - se for no Porto. O ditado deste primeiro mês é “em Janeiro: sete casacos e um sombreiro”. Ficamos também a saber que faltam por “vencer” 334 dias até final do ano quando o mês chegar ao fim. Que a 21 vai estar frio, e é noite de Lua cheia. Se tiver uma horta pode semear couve, repolho e rabanete ou então alface.

Em Janeiro, não haverá chuva segundo aquele almanaque, tirando dia 14 e dia 27. Mas se por acaso nevar no mês seguinte, em Fevereiro, “não faz bom celeiro”. Abrindo uma folha ao acaso, sai “Setembro molhado: figo estragado”. Os dias diminuem 1h12 em Lisboa e no Porto 1h18. Na horta é de semear agrião, cenoura, chicória, feijão, nabo, é plantar com as primeiras chuvas morangueiros e regar até pegarem, aconselha.

Criado sobretudo para os agricultores, o Borda d’Água tem como grande farol a Lua, explica a directora Narcisa Fernandes. O quarto crescente e o quarto minguante são as duas fases importantes para a agricultura. Cortar madeira é no quarto minguante. Se quer que algo cresça, planta no quarto crescente.

Já as tabelas sobre eclipses que aparecem nas últimas folhas, por exemplo, são fornecidas pelo Observatório Astronómico de Lisboa: em 2019 haverá três eclipses do Sol e dois da Lua.

Os oráculos que Narcisa Fernandes escreve são uma combinação do tradicional e do novo, o que diziam antigamente sobre os signos e o que dizem agora, conta. É também ela quem escolhe os ditados. Agora que estamos a chegar ao fim do ano, lembramos : “Em Dezembro descansar, para em Janeiro trabalhar”.