Postais de Natal pedem um “Rossio mais verde”

Movimento que contesta o projecto de construção de um parque de estacionamento subterrâneo fará chegar centenas de mensagens ao presidente da autarquia.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Neste Natal, o presidente da câmara municipal de Aveiro, Ribau Esteves, receberá centenas de postais de boas festas bem diferentes dos tradicionais. Tanto na frente, como no verso, a mensagem que passa é a formulação de um desejo: “que o jardim do Rossio permaneça verde e que seja cuidado por todos”. Em causa está mais uma acção de contestação ao projecto de construção de um parque de estacionamento subterrâneo no Rossio, anunciado pelo executivo de Ribau Esteves (PSD-CDS/PP). A iniciativa, promovida pelo movimento cívico Juntos pelo Rossio, envolveu a participação de três artistas locais - Maria João Arnaud, Sara Bandarra e Sónia Machado -, autoras dos desenhos dos postais.

De acordo com David Iguaz, do movimento cívico, foram impressos um total de 600 postais – 200 de cada desenho –, cabendo a cada aveirense interessado num “Rossio mais verde” a tarefa de deixar o seu nome na página de facebook do Juntos pelo Rossio. O resto ficará a cargo dos responsáveis do movimento: “colocamos os nomes dos cidadãos e entregamos, em mãos, na câmara de Aveiro”, acrescenta David Iguaz.

Esta acção pretende ser, acima de tudo, mais “um alerta em defesa de um Rossio sustentável, para as pessoas, a comunidade”, realça aquele responsável do movimento que tem vindo a desenvolver várias iniciativas contra os planos já anunciados pela autarquia. Depois de um piquenique público, uma concentração com os manifestantes vestidos de branco, entre outras actividades, agora, aproveitam a celebração desta época natalícia para “transmitir uma mensagem especial, de paz”.

O responsáveis pelo movimento  garantem ter já conseguido, após denúncia apresentada à Direcção Regional de Cultura do Centro, suspender os trabalhos de prospecção arqueológica que estavam em curso naquele jardim – aproveitando a realização dos estudos de base para o projecto do Rossio, a autarquia tenta avaliar a possibilidade de recuperar as ruínas da já demolida Igreja de S. João.

O presidente da edilidade não comenta, para já, esta questão da paragem dos trabalhos. Ao PÚBLICO, Ribau Esteves fez saber que estará a dar informação completa, “em breve”, “não só em relação aos trabalhos em torno dos achados arqueológicos, como também no que diz respeito ao desenvolvimento do estudo prévio do projecto”. Será este último a ditar todas as decisões em relação ao projecto de requalificação do Rossio, nomeadamente no que concerne à questão mais polémica: a construção de estacionamento em cave (com 300 lugares).

Até aqui, o líder da autarquia foi deixando a mensagem de que nada estava ainda decidido em definitivo - e que só depois de estar concluída a primeira versão do estudo prévio é que faria sentido discutir o projecto -, mas, a curto prazo, o cenário irá alterar-se.