DR
Foto
DR

Caçador de veados condenado a ver o filme Bambi repetidamente

Pelo menos uma vez por mês, durante todo o tempo em que estiver preso, David Berry Jr deverá ver o filme da Disney.

Um caçador furtivo do estado do Missouri, Estados Unidos, foi condenado a uma pena de prisão de um ano e quatro meses pela caça ilegal de veados. Mas a condenação tem algo de inusitado: a Justiça determinou que David Berry Jr visse o filme da Disney Bambi uma vez por mês durante todo o período da sua sentença.

Juntamente com outros membros da sua família, David Berry Jr foi o responsável pela caça ilegal de centenas de veados, num dos maiores casos de caça furtiva da história recente do estado norte-americano.

As licenças de caça do pai e dos dois irmãos de David foram revogadas, assim como a de outro homem que os ajudava a caçar. No total, a família já pagou 51 mil dólares (quase 45 mil euros) em multas e custos com advogados e tribunal.

“Os veados eram troféus caçados ilegalmente, maioritariamente à noite, pelas suas cabeças, deixando os corpos dos animais para trás”, disse o procurador-geral do Condado de Lawrence, Don Trotter, à agência Associated Press.

"Levar só as cabeças é a versão deles de obter um 'troféu' e deixar a carcaça para trás é apenas um pensamento secundário. Há alguns casos de caçadores que vendem os chifres para o lucro, mas com este grupo era mais pelo prazer da matança", explicou Randy Doman, director da divisão de protecção do Departamento de Conservação do Misouri, citado pelo jornal Springfield News-Leader.

A juntar à pena de prisão, o juiz Robert George tinha uma surpresa preparada. O caçador furtivo deverá ver o filme Bambi durante o tempo que estiver preso, “com o primeiro visionamento a começar a 23 de Dezembro de 2018 e com pelo menos um visionamento a cada mês depois disso”, cita a AP.

O pai e o irmão, Kyle Berry, também estão presos desde Agosto, na sequência de uma investigação a grande escala que durou mais de nove meses, com casos registados no Kansas, Nebrasca e Canada. O Departamento de Conservação do Missouri acrescenta que a investigação levou a que 14 residentes daquele estado fossem alvo de mais de 230 acusações em 11 condados.

A família Berry já estava a ser investigada desde o final de 2015, altura em que a agência de conservação recebeu uma pista anónima sobre a caça furtiva de veados no condado de Lawrence.