Senado desafia Trump e quer condenar líder saudita por assassínio de jornalista

Republicanos defendem que é mais arriscado para a segurança dos EUA ignorar o príncipe herdeiro do que confrontá-lo.

Fotogaleria
MBS e Trump durante o G20 do mês passado, na Argentina,MBS e Trump durante o G20 do mês passado, na Argentina Marcos Brindicci/Reuters,Marcos Brindicci/Reuters
Fotogaleria
"Cabe aos EUA afirmar com firmeza quem somos", diz Lindsey Graham Reuters/JONATHAN ERNST

São apenas seis os nomes dos apoiantes originais da resolução, mas é tal a influência destes senadores, três republicanos e três democratas, que restam poucas dúvidas sobre a aprovação do texto, em que se lê que o Senado dos Estados Unidos tem “um alto grau de certeza” de que Mohammed bin Salman “foi cúmplice” do assassínio do jornalista Jamal Khashoggi.

“Esta resolução afirma – sem equívocos – que o príncipe herdeiro da Arábia Saudita foi cúmplice no assassínio de Khashoggi e tem desestabilizado a região e posto em risco os nossos interesses de segurança nacional em várias frentes”, afirma o senador Lindsey Graham num comunicado que acompanha a resolução. “Caberá aos sauditas decidirem como lidar com isto. Mas cabe aos EUA afirmar com firmeza quem somos e no que é que acreditamos.”

Para além de Graham, a resolução foi proposta pela senadora democrata Dianne Feinstein (os dois deverão assumir conjuntamente a liderança do Comité de Justiça do Senado no próximo ano), e pelos republicanos Marco Rubio e Todd Young, aliados aos democratas Edward Markey e Christopher Coons. Outros senadores influentes já falaram em defesa do texto.

Há semanas que alguns congressistas apontam o dedo a MBS (iniciais pelas quais o príncipe que governa a monarquia gosta de ser tratado) na morte do jornalista crítico que estava há um ano a viver na Virgínia. Khashoggi foi morto e desmembrado a 2 de Outubro, no consulado saudita de Istambul, por um “esquadrão da morte” enviado da Arábia Saudita em aviões oficiais. Riad nega qualquer envolvimento ou conhecimento prévio de MBS, ainda que no grupo que matou o jornalista estivessem os responsáveis da segurança que lhe eram mais próximos.

De acordo com a imprensa americana, a CIA concluiu que foi MBS a ordenar a morte de Khashoggi. Depois de a Casa Branca negar que essas tivessem sido as conclusões, o Presidente Donald Trump afirmou que a agência tinha “a sensação” da culpa de MBS mas não “estava convicta”. A gota de água para a decisão destes senadores foi precisamente uma audiência com a directora da CIA, Gina Haspel. “Não tenho nenhuma dúvida que o príncipe herdeiro ordenou a morte e foi sempre mantido ao corrente da situação”, afirmou no final do encontro o republicano Bob Corker, chefe da poderosa Comissão dos Negócios Estrangeiros.

PÚBLICO -
Foto
Khashoggi começou por ser dado como desaparecido EPA/TOLGA BOZOGLU

A semana passada, vários senadores reagiram indignados à ausência de Haspel num briefing em que foram ouvidos o secretário de Estado, Mike Pompeu, e o da Defesa, Jim Mattis (a presença da directora da CIA tinha sido requerida). “Temos de querer ser cegos para não concluir que isto foi orquestrado por pessoas sob o comando de MBS”, afirmou Graham depois de ouvir Haspel. Sobre Pompeu e Mattis o senador diz que são no melhor cenário “bons soldados” – no pior “estão no bolso dos sauditas” por apresentaram as provas existentes como inconclusivas.

O Congresso e a carteira

Para além de o responsabilizar pelo assassínio, a resolução também considera MBS culpado por alegadas atrocidades na guerra do Iémen e apela a Riad para pôr fim ao bloqueio que promoveu entre os países do Golfo Pérsico contra o Qatar. O grupo de senadores dos dois partidos exige ainda a libertação do blogger Raif Badawi, de várias mulheres activistas e de outros presos políticos no reino.

Esta resolução é divulgada ao mesmo tempo que o Senado se prepara para avançar com outra, mais polémica, que pretende impedir os EUA de continuarem a apoiar os sauditas na guerra iemenita. Aqui trata-se de invocar um procedimento que retira poderes sobre decisões militares ao Presidente, algo que já foi tentado e chumbado no passado.

Certo é que “Trump perdeu o debate com o Congresso sobre o que deve ser feito a respeito do assassínio de Khashoggi”, diz à Al-Jazira Nabeel Khoury, ex-diplomata dos EUA. O Presidente tem insistido na importância de preservar este aliado: “Ninguém contesta isso, o que nós contestamos é a direcção da política saudita sob MBS”, insiste. Tudo isto pode falhar no objectivo de pressionar Trump a mudar de atitude, mas como lembra Khoury, “no fim, é o Congresso, principalmente a Câmara dos Representantes, que controla a carteira [o orçamento] e pode acabar por forçar a Administração a agir”.