ARCOMadrid com 12 galerias portuguesas, menos três do que no ano passado

Quatro galerias portuguesas não quiseram regressar a Madrid. Este ano o país convidado é o Peru e o escritor Mario Vargas Llosa também participa.

Foto
Miguel Nabinho vai regressar à feira de arte contemporânea de Madrid em Fevereiro Pedro Cunha/Arquivo

Doze galerias portuguesas vão participar em Fevereiro na ARCOMadrid, a feira de arte contemporânea mais atractiva e relevante para o mercado de arte nacional. São menos três do que na edição anterior, porque os galeristas José Mário Brandão, Pedro Oliveira e Pedro Alfacinha não chegaram a apresentar candidatura, segundo explicaram ao PÚBLICO, enquanto Andréa Baginski fechou mesmo as portas da sua galeria em Marvila (Lisboa). 

Caroline Pagès, que dividiu o stand com Pedro Oliveira, também não estará presente na feira.

Há, no entanto, um regresso a assinalar entre as galerias seleccionadas, a Galeria Miguel Nabinho (Lisboa), que vai estar presente no programa Dialogues, com curadoria especial, num projecto que envolve os artistas Ana Jotta e Pedro Cabrita Reis. “Tinha que voltar com uma coisa muito impactante e achei que fazer uma dupla com eles os dois era irrecusável. Eles têm uma grande admiração um pelo outro, e já houve a primeira conversa entre eles, mas claro que vão produzir separadamente as obras”, diz ao PÚBLICO Miguel Nabinho, que já não ia a Madrid há sete anos. Na secção Dialogues, estarão mais doze galerias internacionais.

No próximo ano, com a 38.ª edição da feira espanhola a decorrer entre 27 de Fevereiro e 3 de Março, regressa-se ao formato mais clássico da feira organizado em redor de um país convidado, que este ano será o Peru, depois da ARCOMadrid anterior ter experimentado inspirar-se no tema futuro. A feira, que foi apresentada esta semana em Lima, mostrará 23 artistas peruanos, representados por 15 galerias, num programa comissariado por Sharon Lerner, curadora de arte contemporânea do Museu de Arte de Lima. Em Madrid, está previsto um fórum com o escritor peruano Mario Vargas Llosa, o último representante vivo de toda uma época da literatura latino-americana e que ganhou o Prémio Nobel da Literatura em 2010, actualmente a viver em Madrid.

No total, estarão presentes em Madrid 203 galerias de 30 países, sendo que 165 surgem no programa geral, para onde foram seleccionadas a maioria das galerias portuguesas. A Madrid irão as portuenses Nuno Centeno e Quadrado Azul, bem como as lisboetas 3+1, Bruno Múrias, Cristina Guerra, Filomena Soares, Madragoa, Monitor, Pedro Cera e Vera Cortês.

A Galeria Francisco Fino faz parte do programa Opening, dedicado às galerias mais novas, apresentando a artista Mariana Silva.  

No programa geral, a Monitor, uma galeria que tem a sua origem em Roma mas que abriu recentemente um espaço em Lisboa, concorreu aos stands que apresentam apenas um ou dois artistas, mostrando o duo Sérgio Carronha (Cascais, 1984) e Nicola Samorì (Forlì, Itália, 1977). Na Galeria Annex14, de Zurique, Vasco Futscher (Lisboa, 1987) faz uma dupla com Paul Czerlitzki (Gdansk, 1986).

Com um vasto programa paralelo, o destaque nacional vai para a apresentação da colecção Teixeira de Freitas no Santander Art Room, reunida por um advogado brasileiro há muito residente em Portugal.

A ARCOLisboa, que tem a mesma organização do que a feira de Madrid, terá lugar a sua quarta edição em Maio.

Notícia alterada a 22/11: corrige a ortografia de Vasco Futscher e a data de nascimento