Hamilton confirma quinto título seguido da Mercedes com triunfo no Brasil

Escuderia alemã junta o ceptro de pilotos ao de construtores, numa prova marcada pela hostilidade entre Verstappen e Ocon

Foto
REUTERS/Paulo Whitaker

Já com o título mundial debaixo do braço, Lewis Hamilton viu ontem cair-lhe no colo a vitória no Grande Prémio (GP) do Brasil de Fórmula 1, contribuindo para encerrar também as contas do campeonato de construtores: a Mercedes sagrou-se campeã pela quinta temporada consecutiva. Quanto ao piloto britânico, alcançou o 10.º triunfo da época e o 72.º da carreira.

Hamilton partiu do primeiro lugar da grelha mas não conseguiu acompanhar o Red Bull de Max Verstappen, que dominou a corrida até que uma colisão com o Force India de Esteban Ocon (que já levava uma volta de atraso) lhe provocou um pião, deixando a liderança à mercê do campeão do mundo. Verstappen conseguiria segurar o segundo lugar, à frente do Ferrari de Kimi Raikkonen, mas o episódio daria muito que falar após o final da corrida.

Ocon seria penalizado com uma paragem de dez segundos por provocar a colisão, mas isso não bastou a Verstappen, que não poupou nos insultos dirigidos ao francês da Force India na comunicação que ia fazendo com a sua equipa.

Os dois pilotos enfrentaram-se após o final da corrida, com Verstappen a dar um empurrão a Ocon, e os dois seriam convocados pelos comissários devido aos incidentes.

“Fazes tudo bem, vais ganhando lugares, tens um carro espectacular, e depois por causa de um idiota destes és afastado da liderança enquanto ele está a ser dobrado. Estou sem palavras”, lamentou-se Verstappen, justificando a sua reacção com a forma “apaixonada” como vive as corridas. “Sou um vencedor. Tirarem-me as possibilidades de ganhar e depois ainda receber uma resposta estúpida da equipa dele foi algo que me deixou muito insatisfeito”, disse o holandês.

“A luta tem de ser em pista, não fora dela. As emoções são assim, especialmente depois da corrida. Posso entender as emoções dele, pode vir para falarmos, mas não devemos começar com violência com as mãos. Não é um comportamento de homens”, criticou Ocon.

“Vi o que aconteceu e não fiquei surpreendido”, limitou-se a afirmar o campeão mundial de Fórmula 1, Lewis Hamilton, cuja festa não foi minimamente perturbada pela polémica. “Está feito. É a dobradinha, companheiro. A Mercedes é campeã do mundo”, ouviu Hamilton assim que cruzou a meta e viu a bandeira axadrezada. “Foi para isto que todos trabalhámos ao longo de um ano inteiro. Foi uma jornada incrível”, celebrou o piloto britânico.

Os cinco títulos consecutivos da Mercedes no Mundial de construtores só ficam aquém da série de seis conquistados pela Ferrari, entre 1999 e 2004. com agências