Radares da VCI começam a multar em Novembro

Garantia foi dada pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária ao JN. Quem circule acima do limite de velocidade fixado — 80km/h — passará a ser autuado.

Foto
PAULO RICCA / PUBLICO

Os radares da Via de Cintura Interna (VCI), no Porto, deverão entrar em funcionamento ainda em Novembro. Quem exceder o limite de velocidade fixado, de 80 quilómetros/hora, passará a ser autuado.

A garantia foi dada ao Jornal de Notícias pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR). Questionada pelo JN, a entidade, que tem competência para aplicar multas, informou que “está a promover testes, prevendo-se que os radares entrem em funcionamento durante o corrente mês de Novembro”.

A activação dos radares acontece depois de a Infraestruturas de Portugal (IP) — responsável pelo investimento na modernização dos pórticos, de mais de cem mil euros — “ter concluído os trabalhos de modernização e compatibilização dos radares que possui na VCI”, refere a ANSR.

Antes do Verão, fonte da IP afirmava que as infracções registadas pelos radares dos pórticos da VCI iriam “ser comunicadas” às entidades competentes para a aplicação de contra-ordenações, ou seja, a ANSR. Contudo, a activação dos pórticos estava prevista para as semanas seguintes, ou seja, entre Maio e Junho, sem que se tenha concretizado.

No final de Maio, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, anunciou os resultados de um estudo que a autarquia encomendou à Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) para “levantamento da situação actual” da VCI. Na altura, o autarca referiu que a VCI é a via que regista o maior número de acidentes na Área Metropolitana do Porto (AMP) — “mais de dois por dia, a que se somam imobilizações por avaria” —, sendo que a resolução de cada um dos acidentes “demora, em média, três horas”.