SIS roubou fichas de militantes ao PSR de Louçã

Revelações sobre o modo de actuar do SIS são feitas no novo livro do antigo espião Jorge Silva Carvalho.

Foto
Fabio Augusto

Operacionais do Serviço de Informações de Segurança (SIS) invadiram a sede do PSR para roubar fichas de militantes que foram depois fotocopiadas e devolvidas durante a mesma madrugada à sede do partido. A revelação sobre a operação que teve lugar em 1994 é feita pelo antigo espião Jorge Silva Carvalho no seu novo livro "Ao serviço de Portugal", segundo avança a edição desta semana da revista Sábado.

"Esse partido assumia-se publicamente como simpatizante da ETA e os seus membros participariam em pequenas manifestações favoráveis à organização terrorista, em frente à embaixada de Espanha", descreve Silva Carvalho, sobre o partido então liderado por Francisco Louçã e que mais tarde deu origem ao Bloco de Esquerda.

Silva Carvalho, que foi condenado a quatro anos e seis meses de prisão por crimes de violação do segredo de Estado, abuso de poder e acesso ilegítimo a dados pessoais de um jornalista, conta ainda como em 2009 foi chamado pelo então secretário-geral do Serviço de Informações da República Portuguesa (SIRP), Júlio Pereira, por causa de uma investigação sobre o licenciamento do Freeport que envolvia o nome do então primeiro-ministro José Sócrates.

"Já viu isto? Os ingleses estão a enviar para cá informação da polícia sobre o nosso primeiro-ministro. Você dá-se bem com o MI6. Tem que dizer aos ingleses que isto não é apenas cooperação, que estão a falar do primeiro-ministro de Portugal e que quando fazem estas coisas estão a afectar a relação entre as duas potências", disse-lhe Júlio Pereira, segundo o relato de Silva Carvalho.

Em declarações ao PÚBLICO, Francisco Louçã, que era à data líder do PSR, estranha tais revelações. "Pode ter havido algum assalto ilegal mas não fotocopiaram fichas nenhumas porque não estavam lá. O que podem ter encontrado é listas de candidatos eleitorais que estavam registadas nos tribunais. Bastava pedir. É ilegal mas é também ridículo".