Morreu Marty Balin, fundador dos Jefferson Airplane e protagonista da contracultura dos anos 60

Guitarrista, vocalista e mentor da banda, esteve em alguns dos mais importantes momentos musicais dos sixties.

Foto
Reuters/Danny Moloshok

Marty Balin, um dos fundadores dos Jefferson Airplane e um dos rostos da contracultura dos anos 1960 nos EUA e protagonista de alguns dos seus históricos episódios, morreu quinta-feira aos 76 anos. Foi ele que os Hell’s Angels deixaram inconsciente no Festival de Altamont, que em 1969 é visto como um dos momentos que mataram o espírito dos sixties, e foi ele que juntou a banda psicadélica de Somebody to Love ou da hipnótica White Rabbit, cantadas por Grace Slick.

PÚBLICO -
Foto
Os Jefferson Airplane (Marty Balin é o segundo acima à esquerda) DR

Na sexta-feira, Ryan Romenesko, seu porta-voz, informou que Balin, nascido Martyn Jerel Buchwald, morreu com a sua mulher, Susan Joy Balin, ao seu lado, sem revelar a causa do óbito. A sua família escreveu num comunicado: “Os fãs do Marty descrevem-no como tendo tido um impacto substancial no bem do mundo – “uma das melhores vozes de sempre, um escritor de canções que nunca se desvanecerão, e fundador da banda essencial dos sixties”.

Marty Balin era guitarrista e vocalista, embora nos Jefferson Airplane, que fundou em 1965 depois de ter criado um clube nocturno, o Matrix, em São Francisco, a sua voz tenha gradualmente dado lugar à da modelo, cantora e autora Grace Slick. Espicaçado pela chegada dos Beatles à América, quis fundar uma banda rock depois de ter começado na folk sem grande sucesso comercial. Com o guitarrista Paul Kantner (que morreu em 2016), foram os membros fundadores dos Jefferson Airplane, uma das bandas vibrantes da cena psicadélica que despontava na Califórnia. Se inicialmente a voz era de Signe Toly Anderson, a sua saída e a chegada de Slick vinda dos The Great Society, coincidiria com o êxito nacional, e depois mundial, dos Jefferson Airplane.

Com eles chegariam os álbuns como a estreia em Jefferson Airplane Takes Off (1966) ou Surrealistic Pillow (1967), que continha White Rabbit e Somebody to Love, bem como cinco temas escritos por Balin. Foi autor de êxitos como Volunteers e Today. Defensores das drogas psicadélicas como expansores da mente, do amor livre e da vida em comunas que tão bem ilustra a contracultura dos anos 1960, os Jefferson Airplane fizeram parte do alinhamento não só da banda sonora de muitas vidas, mas também de alguns dos concertos, salas e festivais mais importantes, e aspiracionais, da década.

Não só foram a primeira banda convidada para a abertura da histórica sala de concertos Fillmore Auditorium em Denver, como dividiram palco com as grandes bandas do seu tempo – foi aos pés de Balin que Jim Morrison, vocalista dos Doors, caiu sem sentidos depois de dançar intensamente em palco durante um concerto dos Jefferson Airplane em Amesterdão, com a banda de Light My Fire a ficar sem o vocalista no resto da noite. Actuaram nos festivais de Monterey (1967), no festival da Ilha de Wight (1968), no incontornável Woodstock (1969) e, claro, em Altamont (1969)— evento que terminou com a morte de um fã dos Rolling Stones e que é parte do documentário Gimme Shelter, dos irmãos Maysles e Charlotte Zwerin.

A tensão galopante nesse festival, cuja “segurança” era feita pelos membros do gangue de motociclistas Hell’s Angels, faz parte das crónicas dos dias do fim do espírito de paz e amor dos anos 1960, tendo como episódio um momento durante a tarde em que com a pressão da multidão junto ao palco e o derrubar de um dos veículos dos Angels escalou e Balin tentou intervir para acalmar os ânimos. Como é visível em Gimme Shelter, Balin foi esmurrado por um dos motociclistas e ficou inconsciente, com o resto da banda a tentar brincar com o assunto em palco. “Acordei com marcas de botas pelo corpo todo”, contaria ao Relix em 1993, citado pela revista Rolling Stone. A violência fez com que os míticos Grateful Dead, que deveriam subir ao palco, cancelassem a sua actuação.

Um ano depois, Marty Balin deixava os Jefferson Airplane, onde entretanto as relações de poder se tinham alterado entre os novos membros e a cocaína tinha tomado conta das personalidades, mas formariam os Jefferson Starship com alguns dos outros elementos dos Airplane – nomeadamente Grace Slick. Para esta banda, escreveu temas como Miracles ou Runaway. O nome de Balin consta desde 1996 no Rock and Roll Hall of Fame.