A cruzar temporadas pela primeira vez, vem aí o Apocalipse de American Horror Story

A nova temporada conta com o ansiado regresso (ainda que breve) da actriz Jessica Lange, que entrou nas quatro primeiras. Este artigo contém spoilers da primeira temporada, Murder House.

Foto
Uma das imagens promocionais da oitava temporada DR

É com bruxas, com o Anticristo e com assombrações que a série American Horror Story quer abolir as fronteiras entre as suas temporadas – a série é conhecida por mudar de enredo e personagens a cada temporada, ainda que os actores sejam por vezes os mesmos. Já antes vimos pequenas ligações entre os universos de cada enredo: referências, raros casos de personagens que surgem em duas temporadas, ligações entre familiares. Mas, agora, a acção da primeira e da terceira temporada funde-se: a partir de Murder House e Coven nasce a oitava temporada, Apocalipse, com estreia marcada nos EUA para 12 de Setembro.

PÚBLICO -
Foto
Jessica Lange Mike Blake/REUTERS

Será uma temporada de regressos: o ansiado retorno de Jessica Lange (protagonista nas primeiras quatro temporadas) num dos episódios junta-se ao de Taissa Farmiga, Kathy Bates e Lily Rabe. E terá a estreia do actor australiano Cody Fern, que encarnará Michael Langdon, o rebento demoníaco de uma humana (Vivien, interpretada por Connie Britton) e de um fantasma (Tate, interpretado por Evan Peters).

O Anticristo conviverá com as descendentes das bruxas que sobreviveram aos julgamentos de Salem e que protagonizaram a terceira temporada.

PÚBLICO -
Foto
Da esquerda para a direita: Taissa Farmiga, Kathy Bates e Lily Rabe Fotografias de Lucy Nicholson e Gus Ruelas, da Reuters

Evan Peters e Sarah Paulson são os únicos dois actores que já apareceram em todas as temporadas até agora e cada um deles será responsável pela realização de um episódio em Apocalipse. Paulson representará ainda três personagens diferentes na oitava temporada – já na quarta, Freak Show, a actriz representava as gémeas siamesas Bette e Dot, num corpo único com duas cabeças, o que fazia com que cada cena demorasse mais de 12 horas a filmar.

O enredo da nova produção passa-se num futuro próximo, e além das bruxas e do diabo, pouco se sabe ainda sobre o que motivará a intriga da temporada. “A história começa com o fim do mundo e depois o nosso mundo começa”, revelou a produtora executiva, Alexis Martin Woodall, sobre Apocalipse. E com uma nona temporada à espreita em 2019 e uma décima temporada anunciada, certo é que Apocalipse não será o fim dos universos de American Horror Story.

A série antológica, que já ganhou dois Globos de Ouro (um de Lady Gaga em 2016 e outro de Jessica Lange em 2013), estreou-se em 2011 e retrata o terror de uma perspectiva diferente dos lugares-comuns em produções do género – os clichés vão ficando de fora e vão sendo integrados novos medos, como a impossibilidade de pagar o empréstimo de uma casa, ainda por cima assombrada, ou até as eleições presidenciais norte-americanas.