O Oriente narrado pelo primeiro viajante global

Viagens, de Marco Polo, considerado por Gonçalo Cadilhe "um dos livros mais importantes e denso de consequências de toda a História moderna”, é agora reeditado pela Clube de Autor.

Foto

É a mais recente entrada na colecção “Os livros da minha vida”, da editora Clube do Autor, escolhido pelo viajante profissional e autor Gonçalo Cadilhe. Um livro que “alargou as fronteiras do conhecimento humano e da imaginação”. O relato de uma “exaustiva e alucinante viagem pelas rotas seguidas por mercadores” no continente asiático da Idade Média.

Viagens, obra também conhecida como Il Milione, é o testemunho que ficaria para a posteridade das aventuras de Marco Polo, o “primeiro viajante global”. Em 209 capítulos curtos, divididos por quatro livros, o mercador italiano refaz a sua expedição por terras do Oriente, onde viveu durante 17 anos, integrando a corte do imperador mongol da China, Kublai Khan.

No prefácio, Gonçalo Cadilhe classifica-o com “um dos livros mais importantes e denso de consequências de toda a História moderna”, símbolo do “arranque dos Descobrimentos”, do “fim da Idade Média”, do “predomínio do Ocidente” e da “globalização”.

“A sua colorida descrição da geografia, dos produtos naturais, dos costumes e das gentes de um continente na altura desconhecido, influenciou decisivamente o futuro da Europa”, defende. Uma obra incontornável na literatura de viagens, revisitada pelo Clube do Autor numa edição com tradução de Maria João Lourenço.