DIAP investiga tourada em que houve agressões

A GNR faz saber que abriu um processo de averiguações.

Imagem retirada do Facebook de Facebook por Peter Janssen, activista do Vegan Strike Group
Foto
Imagem retirada do Facebook de Peter Janssen, activista do Vegan Strike Group DR

O Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Faro está a investigar os incidentes que ocorreram durante uma tourada realizada em Albufeira na passada quinta-feira. E a GNR procedeu ainda à “abertura de um processo de averiguações” interno.

Tudo aconteceu depois de três activistas antitouradas terem invadido a arena, tendo sido dali retirados pela GNR. No momento em que saíram das instalações da praça de touros, detidos e guardas foram seguidos e agredidos por outras pessoas. O vídeo desse momento foi partilhado no Facebook por Peter Janssen, activista do Vegan Strike Group (que se descreve como “uma organização internacional que luta contra o abuso de animais”).

Questionado sobre o que se passou, o comando geral da GNR diz que foi obrigado a intervir perante a existência de confrontos entre aficionados e activistas, de forma a garantir a integridade física destes últimos. “No decurso desta ocorrência, e no momento em que se garantia a protecção de um dos invasores, um militar sofreu ferimentos numa das mãos”, refere a GNR, acrescentando ter remetido o caso para o Ministério Público.

Três pessoas citadas pelo Diário de Notícias, que não participaram na invasão da arena, relatam ter sofrido agressões no exterior da praça  — entre as quais uma mulher que diz ter sido agredida por agentes da GNR, além de acusar um deles de lhe ter apagado conteúdos do telemóvel (terá feito filmagens com o mesmo)

Sobre esta acusação, a GNR responde “que no exterior do recinto, a GNR foi chamada a intervir devido a um conflito existente entre duas mulheres, motivado pela posse indevida de um telemóvel, tendo o mesmo sido recuperado pelos militares e devolvido à legítima proprietária”.

“Importa referir que a GNR procedeu ainda à abertura de um processo de averiguações”, acrescenta o comando geral.

A mulher que diz ter sido agredida pela GNR, Carla Sananda, é casada com um dos activistas que invadiram a arena e diz que vai apresentar queixa contra os guardas. "Eram três. Um deles aplicou-me uma chave no pescoço, outro uma chave num braço e um terceiro empurrou-me contra a parede. Tenho um metro e 55 de altura e peso 47 quilos", descreve. "E apagaram-me o conteúdo do telemóvel."

Carla Sananda explica ainda que os activistas que invadiram a arena e foram atacados por civis também vão apresentar queixa contra os seus agressores.

Questionada pelo PÚBLICO sobre se irá desencadear alguma averiguação ao que se passou, a Inspecção-Geral da Administração Interna não deu qualquer resposta. Para esta sexta-feira está previsto novo protesto antitouradas em Albufeira, por ocasião da corrida da RTP.