Limiares de ozono ultrapassados em Sines

Na estação de qualidade do ar de Monte Chãos, o ozono atingiu às 19h uma concentração média horária de 192 microgramas por metro cúbico.

Quando o ozono está numa concentração alta deve-se reduzir ao mínimo a actividade física ao ar livre
Foto
Quando o ozono está numa concentração alta deve-se reduzir ao mínimo a actividade física ao ar livre Rui Gaudencio (Arquivo)

A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional-Alentejo (CCDRA) alertou esta quinta-feira que o limiar dos valores de concentração de ozono está a ser ultrapassado em Monte Chãos, no concelho de Sines.

Dando cumprimento ao diploma legal sobre poluição pelo ozono, a CCDRA informou em comunicado "que está a ser ultrapassado esta quinta-feira em Monte Chãos, concelho de Sines, o valor de concentração de ozono de 180 microgramas por metro cúbico, definido como limiar de informação ao público".

Na estação de qualidade do ar de Monte Chãos, esta ultrapassagem observou-se às 19h00, tendo sido atingida nesse período uma concentração média horária de 192 microgramas por metro cúbico, especifica a CCDRA, adiantando que a situação se deverá manter durante as próximas quatro horas.

Para estes valores de concentração, o ozono pode provocar danos na saúde, especialmente em grupos da população mais sensíveis, como crianças, idosos, asmáticos, alérgicos e pessoas com doenças respiratórias.

A CCDRA recomenda à população que evite inalar grandes quantidades de ar poluído, reduza ao mínimo a actividade física ao ar livre, e que evite factores de risco como fumar ou contactar com produtos irritantes, como gasolina, tintas ou vernizes.