Multimédia

O desconhecido pacemaker de Júlio Resende

Ver esta página através de um browser (com URL), e não por uma app, permite descer até à secção laranja com os nossos últimos três destaques de VIDEOCLIPE.PT. O da semana passada é, curiosamente, de Salvador Sobral, com o qual o grande público conotará atualmente o pianista Júlio Resende, pese embora as muitas outras colaborações e projetos que tem desenvolvido há anos, tendo já editado seis álbuns. Sim, seis!

A solo, em 2013, foi ao coração do fado – a Amália Rodrigues – para reanimar uma voz do outro mundo. Em vídeo, além dela cantar, aparecia perante nós para “dar o aval emocional” a esta intervenção no seu corpo musical. Em 2015, com Fado & Further incorporava no seu piano outras grandes vozes, mas deste mundo. Chegado a 2018, após a reanimação de “uma” Pessoa inglesa, Júlio Resende revela que introduziu uma “peça” (aspas por também conter performance) eletrónica no seu corpo pianístico de influência jazzística. Sofrendo de boas arritmias, este Fado Cyborg anuncia o álbum Cinderella Cyborg, e no vídeo um vislumbre da componente visual e performativa dos espetáculos ao vivo já anunciados.

Para esta necessária operação atual de extrair um órgão visual — o videoclipe — dessa massa abstrata que é a música (o single, objeto físico, morreu), tinha que haver um doutor. Não lhe conhecemos o grau, apenas que leciona na U. Aveiro, pois é Nuno Barbosa quem realiza mais uma maravilha digna de alcance internacional. O que não é uma novidade, pois já em 2014 tinha conseguido essa visibilidade (Vimeo Staff Pick e não só) com Emmy Curl e lembramos que ainda este ano mostrou saber fazer bom assédio “saxual”. Maravilha, não por ele ter concebido todo o aparato tecnológico, mas por captar do espetáculo performativo o sentido de maravilhamento das imagens, e que estas tenham o tempo necessário para nos fazer sentir a pacificação que o piano do Júlio incute ao prevalecer sobre a turbulência rítmica e maquinal. Ou seja, aquele importante sentido “lúdico e surpreendente” de que falámos na semana passada.

 

Texto escrito segundo o novo Acordo Ortográfico, a pedido do autor.