Opinião

Hora de verão: a União Europeia quer saber a sua opinião

Devemos manter uma regra única na UE – ou todos mudamos de hora duas vezes por ano ou ninguém o faz.

De Oeste a Leste, a União Europeia estende-se por mais de 3000 quilómetros. Quando o sol se põe em Varna, na Bulgária, ainda vai alto nos céus de Lisboa. Por este motivo, temos três fusos horários diferentes na Europa: ao meio-dia em Portugal é uma da tarde na Eslovénia, o meu país de origem, e duas horas na Bulgária. A escolha do fuso horário do país é uma decisão soberana e nacional. O único requisito estabelecido na legislação da UE é que todos os Estados-membros apliquem o que chamamos a "hora de verão".

A maioria dos Estados-membros da UE tem uma longa tradição de organização da hora de verão, muitas das quais remontam à primeira e à segunda guerras mundiais ou à crise do petróleo nos anos 70. Mas estas diferentes disposições nacionais eram confusas: a hora de verão poderia entrar em vigor num dos lados da fronteira, mas não no outro! Imaginemos estar na estação de comboios sem saber a hora apenas a alguns quilómetros de distância! É por esta razão que, a partir de 1980, a União Europeia adotou gradualmente legislação que prevê que todos os Estados-membros concordariam em coordenar a mudança de hora e pôr termo a horários divergentes. Assim, desde 1996, todos os europeus adiantam o seu relógio uma hora no último domingo de março e atrasam-no uma hora no último domingo de outubro.

No entanto, este sistema está a ser cada vez mais questionado. Nos últimos meses, recebemos pedidos do Parlamento Europeu, de alguns Estados-membros e de cidadãos interessados, solicitando a sua revisão. Esta avaliação está em curso, mas uma coisa é já certa: devemos manter uma regra única na UE – ou todos mudamos de hora duas vezes por ano ou ninguém o faz. Seria uma fonte de problemas se alguns países optassem por mudar num determinado dia, enquanto outros mudavam num dia diferente ou nem sequer mudavam.

Gostaríamos agora de conhecer a sua opinião sobre a questão, pelo que lançámos recentemente uma consulta pública. Convidamo-lo a partilhar a sua opinião sobre a mudança de hora duas vezes por ano e a sua preferência por uma de duas alternativas: manter o sistema inalterado ou abolir o sistema em toda a UE. E, se a mudança se concretizar, o que preferiria: manter a hora de inverno ou a de verão.

Não se trata de uma votação nem de um referendo. Antes de tomarmos uma decisão sobre o que fazer a seguir, é essencial obter o maior número possível de pontos de vista. É obviamente demasiado cedo para especular sobre o que acontecerá, mas há duas coisas que convém lembrar: em primeiro lugar, a Comissão Europeia não está a agir sozinha. Qualquer alteração às atuais disposições necessitaria da aprovação dos governos nacionais, incluindo o português, e do Parlamento Europeu; em segundo lugar, se quisermos abolir a mudança de hora, o seu país continuará a poder decidir se mantém de forma permanente a hora de verão ou a de inverno.

Tenho a certeza de que, tal como eu, tem uma opinião sobre a questão. Convido-o a partilhá-la connosco antes de 16 de agosto, preenchendo este questionário em linha: http://europa.eu/!xX84qx.

A autora escreve segundo o novo Acordo Ortográfico