Aeroporto de Coimbra será discutido na câmara em Setembro

Abertura de estrutura a vôos internacionais e comerciais é promessa de campanha do autarca de Coimbra.

Foto
bruno lisita

A eventual localização de um aeroporto em Coimbra deve ser discutida em Setembro, numa das reuniões do executivo municipal. O presidente da Câmara Municipal de Coimbra (CMC), Manuel Machado, que fez do aeroporto um dos trunfos eleitorais, anunciou nesta segunda-feira que os vereadores estarão em condições de analisar a viabilidade da operação depois da rentrée.
 

O autarca afirmou na reunião de câmara desta segunda-feira que, a partir de meados de Setembro, o município terá condições para avaliar trabalhos, viabilidade e custos para a abertura do aeródromo de Coimbra a vôos “internacionais e comerciais”. No entanto, apesar de defender a necessidade de avaliar os “custos associados” à adaptação da estrutura de Coimbra, Manuel Machado não descarta totalmente outras hipóteses, dando o exemplo de Monte Real, no distrito de Leiria, “desde que possa ser apoiada pelo governo”. 

Na campanha para as eleições autárquicas de 2017, Machado defendeu que a abertura de um aeroporto internacional na zona Centro deveria ter lugar em Coimbra, no aeródromo Municipal Bissaya Barreto, e não na base aérea de Monte Real, uma opção que até já tinha defendido, mas da qual se afastou.

A informação sobre a discussão de Setembro foi avançada por Manuel Machado na reunião de câmara já depois de o vereador eleito pelo movimento Somos Coimbra, José Manuel Silva, ter voltado a levantar a questão do aeroporto. A 17 de Julho, a Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos (CADA) emitiu um parecer favorável a José Manuel Silva, que já tinha pedido acesso aos estudos sobre o aeroporto que Machado diz ter e que a câmara “encomendou e pagou noutros períodos”, referiu o presidente no discurso de tomada de posso, em Outubro de 2017.

O vereador solicitou acesso a “todos os estudos” relativos ao processo que terão servido de “fundamentação para a reiterada promessa”. Em comunicado, o movimento Somos Coimbra tinha já classificado a falta de acesso aos documentos como “uma chocante atitude de falta de transparência e de profundo desrespeito pela democracia”. A CADA deliberou que a CMC “deve facultar o acesso aos documentos solicitados pelo requerente”. O presidente da autarquia deixou o vereador sem resposta.

“Não queremos repetir os erros” registados no caso do aeroporto de Beja, referiu o autarca, sublinhando a necessidade de adoptar uma solução “liberta de megalomanias”. Mas essa precaução não é suficiente, entende. Para Manuel Machado, é preciso “ter atractividade que sustente” a infra-estrutura.

Algumas das intervenções a decorrer ou planeadas para a região, como a requalificação do IP3 ou as obras na linha da Beira Alta, exemplifica o presidente da CMC, poderão contribuir para a sustentabilidade da estrutura aeroportuária através da melhoria das ligações.

Para levar a proposta avante, Manuel Machado, que é também presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), defende que a construção de um aeroporto deve ser “um projecto alargado a vários municípios”. Isto, uma vez que não serviria apenas Coimbra, mas também a sua região, numa “bacia demográfica na ordem dos dois milhões de habitantes”, estima.

Quando, na cerimónia de apresentação da recandidatura à câmara municipal que contou com a presença de António Costa, Machado anunciou a intenção de avançar com o projecto, o governo não se comprometeu com a solução de Coimbra para a instalação de uma estrutura do género na região Centro.

O autarca tem vindo desde então a repetir a intenção de avançar com a ideia, tendo já apontado para 2021 (o ano em que termina o actual mandato) como um horizonte para concluir a obra cujo custo deve andar entre os 10 e os 12 milhões de euros. O objectivo é que a estrutura possa receber “tráfego internacional charter e low cost”.

<_o3a_p>