Maria Trabulo é a vencedora do prémio Novo Banco Revelação

Os outros finalistas do concurso são Carlos Arteiro, Ana Linhares e o colectivo Sem título 2018. Projectos concorrentes serão exibidos no Museu de Serralves, em Outubro.

Museu de Serralves vai acolher a exposição dos finalistas em Outubro
Foto
Museu de Serralves vai acolher a exposição dos finalistas em Outubro Paulo Pimenta

A artista portuense Maria Trabulo é a vencedora do prémio Novo Banco Revelação, e os projectos dos quatro finalistas do concurso vão ser mostrados no Museu de Serralves, no Porto, em Outubro.

Em comunicado, Serralves divulgou este sábado o nome dos distinguidos: Carlos Arteiro, Ana Linhares, o colectivo Sem título 2018 e a vencedora, Maria Trabulo, com o projecto intitulado A Reinvenção do Esquecimento?.

"Durante o mês de Outubro, em data a anunciar, será inaugurada no Museu de Serralves uma exposição colectiva que apresenta as obras dos quatro artistas, e para a qual receberam uma bolsa de produção para a concretização do projecto pelo qual foram seleccionados. Por essa ocasião será lançada uma publicação monográfica do trabalho da laureada, Maria Trabulo", referiu a fundação.

Segundo o júri, citado no comunicado, "todos os artistas manifestam uma abordagem à fotografia que amplia o alcance e as possibilidades deste meio na arte contemporânea –? por exemplo em projectos relacionados com a memória da herança colonial portuguesa (Ana Linhares), ou que baralham noções de autoria e de identidade (colectivo Sem Título 2018), ou que partem da fotografia para explorar noutros meios, nomeadamente a pintura e o vídeo, o carácter impessoal, mecânico, da prática fotográfica (Carlos Arteiro)".

No caso da vencedora, a atribuição do prémio deveu-se "ao carácter aturado e idiossincrático das pesquisas da artista, que a levam no projecto com que concorreu ao Novo Banco Revelação a questionar a relação da fotografia com os limites da memória humana."

Nascida em 1989, no Porto, Maria Trabulo é licenciada em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e pela Academia de Belas Artes da Islândia, possuindo um mestrado em Arte e Ciência pela Academia de Artes Aplicadas de Viena.

O júri da edição deste ano foi composto por Anna Gritz, curadora no instituto KW, de Berlim, Filipa Loureiro e Ricardo Nicolau, curadora e adjunto do director do Museu de Serralves, e por Rita Vitorelli, editora-chefe da revista Spyke Art.

O prémio é uma iniciativa conjunta do banco que lhe dá nome e da Fundação de Serralves para "incentivar a produção e criação artística de jovens talentos portugueses, até 30 anos, tendo por base uma lógica de divulgação, lançamento e apoio a todos os artistas que recorram ao meio da fotografia".

O prémio atribui bolsas de produção no valor de 4500 euros a cada artista, para a concretização dos seus projectos, com tema livre.