Torne-se perito

Festa Literária de Paraty começa esta quarta-feira em homenagem a Hilda Hilst

As escritoras portuguesas Maria Teresa Horta e Isabela Figueiredo e director de som Vasco Pimentel são os convidados portugueses da 16.ª edição da FLIP.

Maria Teresa Horta participará através de vídeo
Fotogaleria
Maria Teresa Horta participará através de vídeo DRO DANIEL ROCHA - PòBLICO
Maria Teresa Horta, Lisboa, Prémio D. Dinis
Fotogaleria
Maria Teresa Horta participará através de vídeo Enric Vives-Rubio

As escritoras portuguesas Maria Teresa Horta e Isabela Figueiredo juntam-se a autores como o norte-americano Colson Whitehead e a franco-marroquina Leila Slimani na festa literária de Paraty (FLIP), que este ano homenageia Hilda Hilst e começa esta quarta-feira.

A 16.ª edição da FLIP decorre até 29 de Julho naquela cidade do estado do Rio de Janeiro, no Brasil, e conta com 33 convidados brasileiros e estrangeiros, três dos quais portugueses: as duas escritoras e o director de som Vasco Pimentel. 

O evento pode ser acompanhado através do YouTube onde está a ser transmitido em streaming através do canal oficial da festa literária

A autora homenageada é a poeta, ficcionista e dramaturga brasileira Hilda Hilst (1930-2004), autora de uma obra singular, que abordou o amor, o sexo, a morte, Deus, a finitude das coisas e a transcendência da alma.

Estes são, aliás, os temas sobre os quais se debruçam este ano as mesas literárias, num registo mais "íntimo" do que o do programa de 2017, dedicado ao escritor Lima Barreto, sobre as questões sociais e políticas do seu tempo, explica a curadora, Joselia Aguiar.

Entre os destaques desta edição está o escritor norte-americano Colson Whitehead, vencedor do Prémio Pulitzer de ficção com o romance A Estrada Subterrânea, sobre uma fuga de escravos, editado em Portugal pela Alfaguara, a franco-marroquina Leila Slimani, vencedora do Prémio Goncourt com Canção Doce, editado também pela Alfaguara, sobre uma ama que mata duas crianças, ou o franco-congolês Alain Mabanckou, finalista do Prémio Man Booker Internacional.

O programa começa na noite desta quarta-feira, com a actriz Fernanda Montenegro e a compositora Jocy de Oliveira, pioneira na música de vanguarda no Brasil, agora dedicada à ópera multimédia. Juntas celebram a sua companheira de geração Hilda Hilst, "a arte mais transgressora".

Na manhã seguinte, a realizadora Gabriela Greeb e o engenheiro de som Vasco Pimentel vão apresentar e falar sobre as fitas magnéticas que Hilda Hilst gravou na década de 1970, e que registaram a voz, a escuta e as divagações literárias e existenciais da autora.

No mesmo dia, a escritora Maria Teresa Horta dialogará, através de vídeo ( não poderá viajar até ao Brasil), com as poetas brasileiras Júlia de Carvalho Hansen e Laura Erber, ambas em Paraty, autoras influenciadas pela lírica portuguesa e com pontos em comum com Hilda Hilst.

A argentina Selva Amada, autora de histórias reais de feminicídio — e de quem a D. Quixote publicou Raparigas Mortas — e a feminista e activista negra Djamila Ribeiro vão conversar sobre como fazer da literatura um modo de resistir à violência.

A fechar o dia, o escritor brasileiro Sergio Sant'Anna, que abordou o desejo, a solidão e a morte, relembra a sua trajectória com Gustavo Pacheco, um autor brasileiro estreante, que lançou recentemente em Portugal, pela Tinta-da-China, Alguns Humanos.

No dia 27, Alain Mabanckou fala sobre a sua trajectória e o seu pensamento, abordando o absurdo, o riso, as culturas africanas e a crítica da razão negra, numa entrevista ao vivo.

André Aciman e Leila Slimani debatem a liberdade de escrever e a escolha de temas tabu, ao passo que a ensaísta Eliane Robert Moraes vai abordar a dimensão corpórea e mística da escrita de Hilda Hilst, numa mesa com leituras feitas por Iara Jamra, actriz que encarnou a personagem mais famosa da autora, Lori Lamby, uma menina de oito anos que vende o corpo incentivada pelos pais, no livro O caderno rosa de Lori Lamby.

O dia seguinte abre com um encontro entre Jocy de Oliveira e Vasco Pimentel, para conversarem sobre a criação de universos sonoros, e prossegue com o historiador e biógrafo inglês Simon Sebag Montefiore, que explicará como retrata figuras políticas nos seus pormenores íntimos, e com a escritora Isabela Figueiredo, nascida em Moçambique, que tratou temas como o racismo, em Caderno de Memórias Coloniais, e a relação com o corpo e excesso de peso, em A Gorda, que falará com Juliano Garcia Pessanha sobre a escrita de diários, memórias, o corpo e a nudez.

Segue-se uma sessão com Colson Whitehead e o autor estreante Geovani Martins, um jovem da favela do Vidigal que criou uma forma própria de narrar e usar as palavras, e que lançou recentemente O Sol na Cabeça, uma colectânea de contos que, ainda antes de ser publicada, já tinha sido vendida a nove países, e cujos direitos de adaptação ao cinema já foram negociados.

A russa Liudmila Petruchévskaia, com livros editados em Portugal pela Relógio d'Água, e cujos contos de horror e fantasia lhe valeram já comparações a Gogol e Alan Poe, fecha a sessão de dia 28.

Para o último dia está reservada uma sessão entre Iara Jamra, o compositor Zeca Baleiro e o fotógrafo Eder Chiodetto, que fizeram obras baseadas em Hilda Hilst, e que recordam os encontros com a autora e as marcas que a experiência deixou nas suas trajectórias.