Centenas de pessoas desaparecidas após colapso de barragem no Laos

A estrutura, no Sudeste do país, estava em construção.

Transporte aquaviário, Recursos hídricos, Comunidade de plantas, Árvore
Fotogaleria
Habitantes presos no telhado de uma casa durante as inundações na província de Attapeu, Laos LUSA/ABC LAOS NEWS
Província de Attapeu
Fotogaleria
O colapso de uma barragem em Attapeu provocou centenas de desaparecidos e 6600 desalojados LUSA/ABC LAOS NEWS

O colapso de uma barragem em construção resultou no desaparecimento de centenas de pessoas e num número indeterminado de mortos no Laos, no Sudeste asiático.

O desastre ocorreu na noite de segunda-feira, na província de Attapeu, e provocou inundações repentinas em seis aldeias. Foram libertados cerca de cinco mil milhões de metros cúbicos de água, com “várias vidas humanas sacrificadas, e várias centenas de pessoas desaparecidas”, indicou a agência de notícias do país. Mais de 6600 pessoas ficaram desalojadas. A maioria está a ser retirada da zona por barco.

O primeiro-ministro do Laos, Thongloun Sisoulith, suspendeu a agenda e dirigiu-se à área afectada no distrito de Sanamxay (em Attapeu), juntamente com outros governantes, para monitorizar as acções de socorro.

As autoridades locais pediram ajuda a organizações governamentais e outras comunidades no apoio às vítimas através do fornecimento de roupas, comida, água potável, medicamentos e outros bens. 

As inundações em Attapeu, Laos

A barragem hidroeléctrica estava a ser construída pela empresa Xe Pian Xe Namnoy, numa parceria entre várias empresas do Laos e da Coreia do Sul. Estima-se que o projecto teria um custo de mais de mil milhões de dólares. A construção começou em Fevereiro de 2013 e previa-se que estivesse concluída até ao final deste ano.

Um porta-voz da SK Engineering & Construction, uma das empresas envolvidas no projecto, disse à agência Reuters que o acidente terá sido causado por chuvas fortes e que estava a colaborar com o Governo nas acções de resgate. “Estamos a dirigir uma equipa de emergência e a criar um plano para ajudar a retirar e resgatar moradores de aldeias perto da barragem”, garantiu. A barragem teria cerca de oito metros de largura, 770 metros de comprimento e 16 metros de altura.

O actual Governo do Laos pretende transformar o país na “bateria da Ásia”, ou seja, num exportador de energia para países vizinhos, principalmente a Tailândia, através de barragens hidroeléctricas. Esta ambição por parte do Governo tem vindo a levantar preocupações, nos últimos anos, junto de organizações ambientalistas devido ao impacto das barragens na fauna e flora do rio Mekong, bem como nas comunidades rurais da região.

A organização sem fins lucrativos International Rivers afirmou à Reuters que o acidente expôs “grandes riscos” associados a algumas barragens “incapazes de lidar com condições meteorológicas extremas” e imprevisíveis, que se estão a tornar mais frequentes no Laos devido às alterações climáticas. Esta situação “atesta ainda a inadequação dos sistemas de alerta”, que não foram capazes de garantir que “as pessoas tivessem um aviso prévio para assegurarem a sua segurança e das suas famílias”, acrescenta a organização.