Jogos Europeus Universitários levam quatro mil atletas a Coimbra

Evento desportivo, que decorre até ao final de Julho, implicou investimento de cinco milhões de euros em requalificação de espaços

Universidade de Coimbra
Foto
neg nelson garrido

Os Jogos Europeus Universitários (JEU), que arrancam neste domingo e se prolongam até 28 de Julho, levam mais de quatro mil atletas a Coimbra. A competir em 13 modalidades, estão representadas cerca de 300 instituições de ensino superior europeias.

O secretário-geral da comissão organizadora dos jogos, Mário Santos, referiu ao PÚBLICO que “foi um enorme desafio encontrar” forma de instalar os atletas. Algo que foi possível com recurso a residências universitárias, a unidades hoteleiras e ao alojamento local. O vice-reitor da Universidade de Coimbra (UC), Amílcar Falcão, explica que não havia capacidade em acolher todos nas residências estudantis, onde ficarão instalados cerca de 800 atletas.

Tanto o alojamento como os transportes são assegurados pela organização, da qual fazem parte a Câmara Municipal de Coimbra, Universidade de Coimbra, Associação Académica de Coimbra e Federação Académica do Desporto Universitário.

Foram criadas várias linhas dos Serviços Municipalizados de Transportes Urbanos de Coimbra (SMTUC) dedicadas a transportar os atletas aos locais da cidade onde vai decorrer a competição. “Foi feito um estudo de forma a que eles não tenham de esperar mais de 20 minutos” por um autocarro, refere o director do departamento municipal de Cultura, Turismo e Desporto, Francisco Paz, acrescentando que há outras linhas do serviço regular que foram reforçadas. O serviço normal não é afectado pelo reforço destinado a servir os jogos, assegura.

Junto do estádio universitário haverá trânsito e estacionamento condicionado ao longo das duas semanas. Para além dos SMTUC, a CMC assegura o transporte dos atletas internacionais dos aeroportos para Coimbra com recurso a empresas privadas.

As cantinas da UC terão oferta condicionada, uma vez que houve a necessidade de concentrar esforços nos JEU. A universidade montou uma tenda perto do estádio que tem capacidade para servir 500 refeições, diz Amílcar Falcão.

No total, a UC investiu cerca de cinco milhões de euros no Estádio Universitário para requalificar equipamentos como os pavilhões 1, 2 e 3, os campos de ténis ou recuperar bancadas e balneários. Houve também trabalhos realizados em outros equipamentos desportivos da cidade, como o pavilhão Jorge Anjinho ou o pavilhão da União de Coimbra.

O vice-reitor sublinha ainda o papel do voluntariado na organização. “É importante realçar que estamos a trabalhar com custos bastante reduzidos, porque temos cerca de 1000 voluntários, sendo que a maioria dos voluntários é estudante”. Amílcar Falcão realça que esse trabalho “é absolutamente decisivo” para que os jogos sejam “de qualidade e com custos controlados. De outra forma, toda a estrutura logística seria difícil de suportar do ponto de vista financeiro”, acrescenta.

A primeira edição dos Jogos Europeus Universitários realizou-se em Córdova em 2012, sendo que Roterdão acolheu o evento dois anos depois. Em 2016, foi a vez da organização conjunta das cidades croatas de Zagreb e Rijeka.

Como legado dos jogos, Mário Santos destaca a série de obras realizadas, para além do impacto económico na cidade. Há também a questão do fomento da prática desportiva na universidade, afirma.

A cerimónia de abertura decorre neste domingo, no Pátio das Escolas, com a presença de Marcelo Rebelo de Sousa, do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues e do secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo. O evento inaugural não é aberto ao público, mas todos os jogos têm entrada gratuita.