Estados Unidos acusam 12 russos de pirataria informática nas eleições de 2016

Foram indiciados no âmbito da investigação sobre a possível interferência da Rússia na campanha para as presidência de 2016.

Hillary Clinton foi derrotada por Trump nas eleições de 2016
Foto
Hillary Clinton foi derrotada por Trump nas eleições de 2016 Carlos Barria/Reuters

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos anunciou ter acusado 12 espiões da Rússia por práticas de pirataria informática durante a eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos, em 2016.

De acordo com o procurador-geral adjunto, Rod Rosenstein, os russos foram indiciados por pirataria, no âmbito da investigação sobre a possível interferência da Rússia na campanha.

Os russos são acusados de invadir as redes de computadores do Comité Nacional Democrata, do Comité Democrata de Campanha do Congresso e da campanha presidencial de Hillary Clinton, divulgando emails roubados na Internet nos meses que antecederam a eleição.

"A Internet permite que adversários estrangeiros ataquem os norte-americanos de maneiras novas e inesperadas", disse Rosenstein. Acrescentou: "Eleições livres e justas são duras e controversas e haverá sempre adversários que trabalham para exacerbar as diferenças e tentar confundir, dividir e conquistar".

Vinte pessoas e três empresas tinham já sido indiciadas na investigação à suspeita de ingerência russa nas eleições, que o procurador especial Robert Mueller dirige.

Entre elas estão quatro antigos elementos da campanha de Trump e assessores da Casa Branca e 13 russos acusados de participar numa campanha nas redes sociais para influenciar a opinião pública norte-americana na eleição de 2016.