Socialistas vão ao Alentejo debaixo de críticas por falta de investimento

O PS vai ao Baixo Alentejo falar de água e de investimentos a reboque da Barragem do Alqueva, mas não leva promessas de investimento.

Carlos César preside às jornadas parlamentares do PS
Foto
Carlos César preside às jornadas parlamentares do PS Rui Gaudencio

Por Beja, nestas semanas, debate-se o porquê de o Baixo Alentejo ter praticamente sumido do Plano Nacional de Investimentos, que reprograma os fundos comunitários. Não há melhorias na ferrovia previstas, não se sabe quando abre o troço da auto-estrada que ligaria a cidade à A2, ou que aproveitamento quer o Governo fazer do Aeroporto de Beja.

O distrito quer ainda promessas mais efectivas de que a barragem do Alqueva, ex-líbris socialista que Carlos César disse querer servir de pano de fundo para as jornadas parlamentares do partido esta segunda e terça-feira em Beja e Évora, vai alargar os seus efeitos para os concelhos mais a sul. Mas o PS não leva na bagagem promessas. Nem leva o ministro do Planeamento, Pedro Marques, o responsável pela pasta.

“Não me lembrei”, foi a resposta de Carlos César quando questionado se levaria ao Baixo Alentejo o ministro que tem nas mãos a gestão dos fundos europeus. Mais tarde, questionado novamente se falaria dos investimentos reclamados pela região, disse que o Partido Socialista não precisa dos ministros para falar dos problemas. “Temos o hábito de discutir os problemas com ou sem ministros. Para discutirmos o problema da ferrovia não precisamos de ter o ministro que tem a tutela, e portanto, se tivéssemos que levar os ministros, ao que prevejo que vamos discutir, tínhamos de levar o conselho de ministros todo”, defendeu. Salientando que a região, que representa 35% do território e apenas 7% da população, tem de ter um esforço pela coesão territorial, César afirmou que há vários problemas prioritários desde a educação à saúde e que “não é uma estrada ou uma linha de comboio que se diferencia de outras prioridades que fazem parte de uma política coerente para a coesão territorial. Não temos nenhum problema nesta matéria”, referiu.

Para mostrar que o partido não tem dificuldades em discutir o assunto, neste primeiro dia de jornadas parlamentares subordinadas ao tema “o desenvolvimento regional no contexto das alterações climáticas”, Carlos César vai reunir-se, sem ministros, com os representantes do movimento “Beja merece mais”, que em Maio se manifestaram na Assembleia da República a reivindicar uma política de investimentos para o Baixo Alentejo. “Vamos aprender muito mais com o que eles nos têm a dizer sobre o Alentejo do que aprenderíamos com mais três ou quatro ministros”, disse, remetendo, no entanto, conclusões e respostas às dúvidas da região para o final do encontro dos deputados socialistas, que termina na terça-feira com visitas ao Alqueva.

O Alqueva é mesmo o pano de fundo para estas jornadas. Lançado pelo então primeiro-ministro António Guterres, é o investimento que serve de modelo aos socialistas. “É hoje um empreendimento que permite uma distribuição de água por vários distritos, numa extensão superior a 10 mil quilómetros quadrados. Houve a consciência de que este investimento responderia a problemas ainda actuais como a seca, a desertificação e os problemas de desequilíbrio provocados por factores climáticos”, defendeu o presidente do Grupo Parlamentar do PS numa conversa com jornalistas para antecipar as jornadas. O encontro, defendeu, “dar-nos-á uma melhor leitura da realidade económica do Alentejo e da expressão que essas actividades têm no emprego e nos factores de fixação”.

Apesar da discussão sobre as várias áreas, César recusou falar preto no branco de uma defesa da regionalização, preferindo centrar-se na descentralização de competências que, espera, tenha resultados ainda nesta sessão legislativa. “Neste momento está em causa concretizar um processo de descentralização, que é essencialmente dirigido ao reforço das competências municipais. Em todo o caso, creio que podem existir condições para que, nesta sessão legislativa, possam ficar aprovados documentos estruturantes dessa reforma. Se tal acontecer, será muito significativo e importante”, afirmou.