Pastelaria Suíça, um símbolo do Rossio e de Lisboa, vai fechar

Perto de completar 100 anos, a histórica pastelaria da baixa vai fechar as portas. A ela, juntam-se a Joalharia Correia e a loja de decoração Ana Salgueiro, anunciou a autarquia esta quarta-feira.

Barra
Fotogaleria
A pastelaria está aberta no Rossio, desde 1922 Pedro Martinho / PUBLICO
Comida de rua, padaria
Fotogaleria
A pastelaria está aberta no Rossio, desde 1922 Pedro Martinho / PUBLICO

A emblemática Pastelaria Suíça, no Rossio, em Lisboa, vai encerrar “num futuro próximo”. O dono deste espaço comercial com quase cem anos comunicou isso mesmo à Câmara Municipal de Lisboa, há pouco mais de uma semana. “Afigura-se necessário, num futuro próximo, o encerramento da Pastelaria Suíça, pelo menos no espaço que agora ocupa”, lê-se na carta enviada à autarquia, a que o PÚBLICO teve acesso.

Na missiva, Fausto Roxo, o dono do estabelecimento, informa que desiste de receber a classificação de Loja com História a que se tinha candidatado há cerca de um ano. “Desde o momento da aludida candidatura até à presente data, ocorreram várias vicissitudes, que tiveram e têm tido um impacto negativo na exploração comercial da Pastelaria Suíça, impossibilitando a sua viabilidade, subsistência e continuidade no futuro.”

Ao final da tarde de quarta-feira, alguns funcionários disseram ao PÚBLICO que não tinham ainda qualquer informação oficial sobre o fecho do estabelecimento. Mas as obras que decorrem na porta ao lado e o facto de o edifício ter sido vendido no início do ano auguram mudanças para aquele espaço. O PÚBLICO tentou ainda contactar Fausto Roxo por email, sem sucesso.

A informação sobre o encerramento da pastelaria, aberta em 1922, foi dada pelo vice-presidente da autarquia, Duarte Cordeiro, durante a reunião pública que se realizou esta quarta-feira. Discutia-se a inclusão de mais 44 espaços comerciais no programa municipal Lojas com História e o vereador, com o pelouro da Economia, disse logo a princípio que três lojas não podiam ser incluídas porque iniciaram negociações “no sentido de chegar a acordo para cessar actividade”. Além da Suíça, Duarte Cordeiro referiu a Joalharia Correia, na Rua do Ouro, e a loja de decoração Ana Salgueiro, na Rua do Alecrim.

No entanto, na Joalharia Correia, ao final da tarde desta quarta-feira, não havia qualquer informação sobre o fecho da casa. Confirmado está o encerramento da loja de decoração Ana Salgueiro. Aberta desde a década de 1960 e dedicada à iluminação contemporânea combinada com antiguidades, a casa fechará portas a 31 de Agosto. 

“Quando nos informam que estão em negociação, automaticamente tiramos do processo de classificação como Lojas com História”, explicou Duarte Cordeiro. Isto porque, acrescentou, “o programa não pode ser usado para especular” nem para “ser uma arma de negociação com os senhorios”.

Assim, da lista inicial de 47 lojas propostas, 44 chegaram ao fim do processo e vão gozar de algumas protecções especiais. No quarteirão em que fica a Pastelaria Suíça há duas novas Lojas com História: a Casa da Sorte e a Ourivesaria Portugal. Na lista estão ainda restaurantes como o Gambrinus, o Vá-Vá, o Senhor Vinho, a Bota Alta ou o Laurentina, a ervanária Rosil, a espingaradaria Belga, a loja de desporto Casa Senna, a livraria Barata e a papelaria Fernandes, entre outras.

“Ao classificarmos 44 estabelecimentos não devemos ficar pesarosos. Gostávamos de classificar 47, mas há um limite”, disse Duarte Cordeiro. Esse limite é “a vontade” de os comerciantes manterem os negócios, afirmou Fernando Medina. “O programa não pode resolver os problemas de vontade. Tem é de criar as condições para que as pessoas tenham vontade de continuar”, acrescentou o presidente da câmara.

O autarca respondia assim a João Pedro Costa, vereador do PSD, que pediu a Medina que “procurasse sensibilizar o proprietário” do quarteirão – um fundo imobiliário espanhol que pagou 62 milhões de euros, segundo avançou o Expresso – para “a importância da Pastelaria Suíça na cidade”. 

Nesta reunião foi ainda aprovado o “reconhecimento e protecção de estabelecimentos com oficinas de manufactura”, num total de 19. A fábrica de gelados A Veneziana, as destilarias da Ginginha Sem Rival e da Ginginha Rubi, o atelier da Luvaria Ulisses ou a padaria da Panificação Mecânica são alguns dos espaços que agora estão protegidos de despejo. com Cristiana Faria Moreira