Posição do PSD sobre OE "está longe de ser" a de Silva Peneda

Líder social-democrata também falou sobre o assunto para dizer que não está zangado com Silva Peneda.

Salvador Malheiro
Foto
Salvador Malheiro Paulo Pimenta

Rui Rio disse esta qsexta-feira à tarde no Porto, que se recusa a “liderar um partido em que as pessoas não possam falar com sinceridade”. Disse-o a propósito da entrevista dada por Silva Peneda ao PÚBLICO e à Renascença, na qual o seu ministro-sombra colocou a hipótese de os sociais-democratas viabilizarem o Orçamento do Estado para 2019 caso a esquerda não o faça. 

“Não estou minimamente zangado com Silva Peneda”, respondeu Rio os jornalistas, sem deixar de atacar a comunicação social, pela dimensão que as declarações tomaram. Sobre o OE 2019 propriamente dito, o líder do PSD disse: “Duvido que o PS consiga apresentar um orçamento [que vá de encontro aos interesses do PSD]”.

Também o vice-presidente do partido Salvador Malheiro afirmou ontem que a posição do PSD sobre o OE2019 “está longe de ser” a de José Silva Peneda. "Naturalmente que não representa a posição oficial do PSD, é a posição de uma referência da social-democracia, que falou a título individual. A posição do PSD está longe de ser essa veiculada pelo dr. Silva Peneda", afirmou Salvador Malheiro, em declarações à Lusa.

O vice-presidente social-democrata salientou que "o PSD, a seu tempo, depois de analisar o orçamento, irá tomar uma posição".

"Não somos a favor só por ser a favor, nem contra só por ser contra", acrescentou, remetendo para depois da apresentação do Orçamento do Estado para 2019 essa análise.

Na quinta-feira, em entrevista PÚBLICO e à Rádio Renascença, o coordenador do Conselho Estratégico Nacional do PSD para a área da Solidariedade e Sociedade de Bem-Estar afirmou que se o BE e o PCP não viabilizarem o OE - o que acredita que vai acabar por acontecer - "está na mão do PSD fazer cair o Governo ou não".

"Sou a favor da estabilidade política e acho que os mandatos devem ser cumpridos. É esta a minha leitura", afirmou o antigo ministro do Emprego de Cavaco Silva.

A entrevista de Silva Peneda gerou algumas reacções críticas nas redes sociais dentro do PSD, casos do ex-vice-presidente da bancada social-democrata Carlos Abreu Amorim - que pediu a Rui Rio para esclarecer a sua posição - ou do antigo secretário-geral dos Trabalhadores Sociais-Democratas, Arménio Santos, que considerou "impensável" uma eventual viabilização do Orçamento.