Baleia encontrada morta ao largo da Fonte da Telha

Ao início da tarde, o cetáceo estava a ser empurrado para alto-mar para ser depois afundado.

Cetáceos, Mar
Fotogaleria
Luís Martins
,
Fotogaleria
Luís Martins

Uma baleia morta foi encontrada, na manhã desta terça-feira, junto à praia da Fonte da Telha, na Costa da Caparica. 

O animal, com cerca de 13 metros - e não 30 como tinha sido estimado pelo comandante Abrantes Horta, da Capitania do Porto de Lisboa -, foi avistado a cerca de uma milha (1,6 quilómetros) da costa.

Ao início da tarde, o cetáceo estava a ser empurrado para uma zona mais distante da costa, para ser depois "afundado" pela Marinha com recurso a uma carga explosiva, uma vez que "constitui perigo para a navegação marítima", disse ao PÚBLICO o porta-voz da Marinha, Fernando Pereira da Fonseca.

"Havia duas hipóteses: ou a baleia se aproximava da costa ou teria de ser afundada", explicou o porta-voz, sendo que as autoridades optaram por afundar o cetáceo em alto-mar, minimizando assim os riscos para as embarcações. 

Os trabalhos decorreram com o apoio do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) que, segundo notou o comandante Pereira da Fonseca, não teve interesse em recolher a baleia para estudo por se tratar de uma espécie "comum". 

Foi o proprietário da empresa de passeios turísticos Batnavó Marítimo-Turística quem alertou a Polícia Marítima de Sesimbra sobre a presença do animal. Luís Martins conta ao PÚBLICO que avistou “um vulto negro”, que lhe parecia “um barco virado ao contrário”, por volta das 7h30 quando saía da praia com um grupo de praticantes de pesca desportiva. 

“Estivemos mesmo perto dela. É muito grande e está voltada de barriga para cima, ficando uns 2,5 metros acima da água”, contou. 

O cetáceo estará morto há já alguns dias e em avançado em estado de decomposição. 

No passado mês de Maio, um cachalote-pigmeu (Kogia breviceps) com cerca de dois metros deu à costa junto ao Cais do Sodré, em Lisboa. O animal, que não é das espécies de cetáceos mais avistadas na costa portuguesa, foi transportado para o Centro de Reabilitação de Animais Marinhos, em Ílhavo, para ser estudado.