Jane Fonda recebe prémio Lumière

De 13 a 21 de Outubro, o festival de Lyon dedicado à história do cinema, com restauros e reedições de filmes e documentários, volta para a 10ª edição.

Jane Fonda, ritidoplastia, livro de treino de Jane Fonda
Fotogaleria
DANNY MOLOSHOK/reuters
2018 Festival de Cinema de Sundance
Fotogaleria
Jane Fonda in Five Acts, documentário de Susan Lacy
Jane Fonda, Klute, Bree Daniels e John Klute
Fotogaleria
Klute, de Alan J. Pakula: Óscar de Melhor Actriz

O Festival Lumière, organizado pelo instituto homónimo em Lyon, França, e dedicado a exibir restauros e novas cópias de clássicos, além de documentários sobre a história do cinema, chega à 10ª edição entre 13 e 21 de Outubro. Este ano, e depois de ter já homenageado Catherine Deneuve, Gérard Depardieu, Martin Scorsese, Ken Loach, Miloš Forman, Quentin Tarantino, Pedro Almodóvar, Wong Kar-wai ou Clint Eastwood, o festival dá o Prémio Lumière a Jane Fonda, pelo trabalho em cinema e o activismo político.

Além da presença da actriz, que trabalhou com Alan J. Pakula, Arthur Penn, Sidney Lumet ou Sydney Pollack e que hoje pode ser vista em Grace and Frankie, a série do Netflix que protagoniza ao lado de Lily Tomlin, com quem fez Das 9 às 5 nos anos 1980, será exibido Jane Fonda in Five Acts, o documentário assinado por Susan Lacy este ano.

O festival honrará também mulheres no cinema, com um tributo a Muriel Box (1905-1991), a realizadora e argumentista britânica do pós-guerra, e terá como convidados a actriz sueca Liv Ullman, musa de Ingmar Bergman, e o cantor francês Bernard Lavilliers. Haverá ainda espaço para retrospectivas do norte-americano Richard Thorpe, com a exibição de cinco cópias de 35mm dos seus filmes, e do francês Henri Decoin, prolífico e pioneiro realizador, além de sessões relativas ao realizador francês Robert Enrico, ao cómico Max Linder, à estrela de mudo francesa Catherine Hessling, esposa de Jean Renoir, e àcontinuação de um tributo a Buster Keaton.

Será exibida uma nova cópia em 70mm de 2001: Odisseia no Espaço, de Stanley Kubrick, que foi exibida em Cannes, festival dirigido por Thierry Frémaux, que também é director do Instituto Lumière.