Klaus Regling e Mário Centeno em conferência sobre futuro do Mecanismo Europeu de Estabilidade

No momento em que as situações políticas em Itália e Espanha voltaram a lançar dúvidas sobre a robustez da zona euro e que se aproxima, precisamente, uma cimeira europeia que deverá aprovar medidas para tornar a zona euro mais resiliente a crises financeiras e económicas, o PÚBLICO organiza uma reunião sobre o futuro do órgão europeu que tem por missão prestar assistência financeira aos países que enfrentem dificuldades extremas.

A conferência que aqui transmitimos em directo decorre ao longo da manhã de hoje, segunda-feira, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. A moderação está a cargo do director do PÚBLICO, David Dinis, e serão oradores:

Klaus Regling, presidente do Mecanismo Europeu de Estabilidade
Trabalhou durante 40 anos como economista em cargos de topo no sector público e privado na Europa, Ásia e Estados Unidos, incluindo uma década no Fundo Monetário Internacional e outra no Ministério das Finanças alemão. Entre 2001 e 2008 ocupou o cargo de director-geral para os Assuntos Económicos e Financeiros da Comissão Europeia.

Mário Centeno, ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo
Doutorado em Economia pela Universidade de Harvard fez parte da sua carreira no Banco de Portugal. No âmbito das suas áreas de interesse de investigação — Economia do Trabalho, Econometria, Microeconomia, Teoria dos Contratos — é autor e co-autor de inúmeras publicações científicas, livros e capítulos de livros.

António Cabral, antigo director-geral adjunto para os Assuntos Económicos e Financeiros da Comissão Europeia
Economista de formação tem grande parte da carreira passada na Comissão Europeia onde entrou em 1988 e se manteve até 2004. Entre os vários cargos que ocupou foi conselheiro especial do presidente da Comissão Europeia Durão Barroso.

Ricardo Cabral, professor auxiliar, Universidade da Madeira
Economista doutorado pela Universidade da Carolina do Sul é colunista regular do PÚBLICO e tem sido um investigador activo sobre a crise da zona euro e a crise financeira internacional.

Sugerir correcção