Hannibal Hanschke/Reuters
Foto
Hannibal Hanschke/Reuters

Megafone

Turquia: um conglomerado de pessoas a caminho das urnas

A Turquia é uma sociedade? Essa foi a pergunta principal de um artigo sociológico publicado há alguns anos. Eleições acontecem a 24 de Junho

Dei uma formação sobre não-violência há dez anos em Istambul. A formação, programada para dois dias inteiros, foi desenhada num país da Europa do Norte. Tentou-se adaptá-la o melhor possível ao contexto turco. Um dos módulos visava identificar gatilhos para a violência e a raiva. Isto ajuda o indivíduo a tomar consciência da provocação e adquirir controlo e calma durante uma situação confusa. “O que é que te indigna?” foi a pergunta dirigida aos 20 formandos. Do lado do formador, temos também as nossas respostas. A minha favorita é “injustiça”: quando vejo alguém a agir injustamente para com outra pessoa fico sempre revoltado e sinto-me impelido a reagir. Outras respostas possíveis na nossa lista incluem “violência”, “opressão”, “mentira”, “ignorância” e “intolerância”. Exemplos mais concretos podem incluir os nazis na Alemanha a queimar casas de imigrantes ou polícias a parar e revistar pessoas não brancas na rua. Enfim, é a exemplos sociais e políticos que pretendemos chegar. Ou, no mínimo, a abstracções e conceitos. Das 20 pessoas na sala, seis responderam: “Quando nas estações de metro as pessoas ficam do lado esquerdo das escadas rolantes em vez de andarem.”

Seis pessoas das 20 estão suficientemente interessadas em não-violência para se disponibilizarem para uma formação de dois dias inteiros. Perguntámos o que as revolta. A resposta é algo que lhes acontece pelo menos quatro vezes por dia. Algo que faz parte da vida quotidiana de toda a gente. E com estas pessoas, permanentemente ligadas a um carregador de violência, pretendemos conseguir confrontar polícias e seguranças e manter a calma.

Violência é um sintoma de mal-estar social e não se pode resolver ao nível individual (destacar isto faz parte da formação). Mas porque é que as pessoas andam sempre tão zangadas?

A resposta é: Tayyip. Mais conhecido como Recep Tayyip Erdogan.

Tayyip nunca obteve nem conseguiu construir um consenso social à volta da sua ideologia. Não existe apoio social alargado na Turquia para o islamismo e/ou para valores do século VII. Existe abertura (ou seja, a população pode ser considerada “conservadora” no sentido comum do termo), mas não há consenso. Desde os primeiros anos da Turquia moderna, houve sempre revoltas reaccionárias contra os valores republicanos. Trata-se de minorias grandes. Ainda hoje, o apoio a Tayyip baseia-se num quinto da população turca.

Nos últimos 10 a 15 anos, Tayyip seguiu sistematicamente uma estratégia de polarizar ao máximo a sociedade: entre seculares e muçulmanos, liberais e conservadores, curdos e turcos, etc., para consolidar os seus 20% e dividir o resto em pequenas peças isoladas.

A laicidade tinha conseguido, durante muito tempo, unir esta sociedade diversificada. Com um discurso de ódio e uma política de islamização, Tayyip desmantelou a sociedade inteira.

Resultado: neste momento, a “sociedade” turca não celebra nada em conjunto. Nem o futebol, nem o dia da independência, nem as festas do ano novo conseguem evitar as tensões sociais.

Tayyip formou um clube de futebol (Basaksehir) que, do dia para a noite, conseguiu subir todos os patamares da liga e alcançar quase o primeiro lugar. Todas as grandes equipas turcas (já ouviste falar no Galatasaray, Fenerbahçe ou Besiktas?) ficaram aterrorizadas com a nova situação. O melhor exemplo foi o do treinador do Sivasspor:

Penúltima semana da liga turca. Basaksehir: 1, Sivasspor: 0. Basaksehir com 10 jogadores. Minuto 90+2. Basaksehir marca um autogolo que o faz perder a oportunidade de ficar em primeiro lugar. O treinador do Sivasspor fica devastado... E se Tayyip telefonar na manhã seguinte a fazer perguntas? E se for a sua equipa a responsável pela falha da equipa de Tayyip? O futebol, que é suposto servir como ópio das massas, está tão politizado que nem é possível ficar-se ligeiramente feliz por um ponto ganho para a sua equipa.

Todas as marchas da República — uma série de feriados oficiais que marcam datas-chave na guerra da independência — estão proibidas e só por manifestação “ilegal” se pode celebrar a independência.

Nem sequer se consegue celebrar o novo ano em espaços públicos porque os islamistas atacam as festividades sob a crença de que o ano novo é um ritual de recrutamento cristão.

Então, temos um conjunto de pessoas que não se juntam em nenhum momento de ano. Qualquer ocasião, que em qualquer outra parte do mundo serviria para despolitizar a população, é na Turquia razão para confrontos e provocações.

Isto nota-se até na rua.

Normalmente, os assuntos do mundo podem classificar-se em dois grupos: my business, not my business. O que tem a ver comigo e o que não tem a ver comigo.

Na Turquia, as pessoas carecem do segundo conceito: tudo tem a ver comigo, tenho que ter opinião e convicção sobre tudo, e os que não partilham das mesmas convicções não são meus amigos. Ou seja: tenho de ter fortes convicções sobre a Síria, sobre o novo vestido e a maneira de andar da filha do meu vizinho, sobre a última coisa que certo político disse, sobre como aquele carro foi estacionado, sobre a Rússia, sobre a tal exposição de arte numa cidade qualquer que tinha um quadro com figuras nuas, sobre o que vai acontecer com a inflação, sobre quem pode comer o quê e onde durante o Ramadão, sobre se esta rapariga em calções curtos pode estar neste autocarro, sobre as declarações daquele actor que ninguém conhece em relação a Israel... E tu, tu tens de ter exactamente as mesmas convicções do que eu, senão és do outro lado. A melhor análise em português que conheço sobre esta matéria é uma reportagem do PÚBLICO publicada no ano passado.

Ora, este conglomerado de indivíduos que não partilham rigorosamente nenhum conteúdo ético ou político — a população turca — vai às urnas no próximo dia 24 de Junho.

Na Turquia, as eleições são, se calhar, a única forma de “manifestação” autorizada. Podes ir votar sem grandes problemas (com excepção dos curdos, que não podem fazer nada sem grandes problemas, mas isto vem de antes de Tayyip), tal como num protesto em Portugal. Depois de te manifestares, voltas para casa, tal como em Portugal. Os telejornais mostram imagens da manifestação em que participaste, tal como em Portugal. Só que depois os resultados podem não corresponder aos votos — tal como o que acontece em Portugal quando a comunicação social portuguesa reporta umas centenas de pessoas numa manifestação de professores em que havia 50 mil. A verdade é que os progressistas ganharam as últimas três ou quatro eleições. Mas Tayyip declarou vitória e assim ficou.

Portanto, este conglomerado de indivíduos que não partilham rigorosamente nenhum conteúdo ético ou político — a chamada população turca — vai às urnas no próximo dia 24 de Junho para reivindicar a vontade popular de voltar a ser uma sociedade. Será que Tayyip vai deixar?