Pelo menos dez mortos em novos confrontos

Existem ainda pelo menos dez pessoas desaparecidas.

Nicarágua, 2018 protestos nicaraguenses
Fotogaleria
Reuters/OSWALDO RIVAS
Nicarágua, Diario Norte
Fotogaleria
Reuters/OSWALDO RIVAS
Nicarágua, Daniel Ortega
Fotogaleria
Reuters/OSWALDO RIVAS
,
Fotogaleria
Reuters/OSWALDO RIVAS
Daniel Ortega
Fotogaleria
LUSA/JORGE TORRES
Daniel Ortega, Masaya, 2018 protestos nicaraguenses
Fotogaleria
LUSA/BIENVENIDO VELASCO
Masaya
Fotogaleria
Reuters/OSWALDO RIVAS
Daniel Ortega, Nicarágua
Fotogaleria
Reuters/OSWALDO RIVAS

Pelo menos dez pessoas morreram, 62 ficaram feridas e dez estão desaparecidas na cidade de Masaya, na Nicarágua, devido a confrontos entre civis e a polícia, informou a Associação Nicaraguense dos Direitos Humanos (ANPDH) nesta segunda-feira.

O secretário executivo da ANPDH, Álvaro Leiva Sánchez, afirmou, em conferência de imprensa, que entre sábado e segunda-feira tinham ocorrido também 120 detenções na sequência dos violentos confrontos, que mataram pelo menos dez pessoas. Dos 62 feridos, 61 são civis e um é oficial da Polícia Nacional, de acordo com o relatório da agência humanitária.

Os confrontos, segundo a agência humanitária, ocorreram quando simpatizantes do Presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, apoiados pela Polícia Nacional, tentaram retirar grupos de manifestantes civis que mantêm uma barricada naquela cidade.

A Polícia da Nicarágua, por sua vez, atribuiu as mortes a "actos terroristas de crime organizado, que alteraram a ordem pública, a paz e a tranquilidade de indivíduos, famílias e comunidades".

Segundo Álvaro Leiva Sánchez, são já 127 as pessoas que morreram na Nicarágua desde que os protestos contra o Governo de Ortega começaram a 18 de Abril.

Os protestos contra o Presidente Daniel Ortega e a sua mullher e vice-presidente, Rosario Murillo, começaram em Abril por causa de reformas na Segurança Social e acentuaram-se devido às mortes registadas durante as manifestações.

Sugerir correcção