Governante apupado devido a alterações ao regime do associativismo jovem

Intervenção foi interrompida por assobios e críticas de pessoas mais velhas, que discordam das alterações propostas pelo Governo. Mas no fim da intervenção, o secretário de Estado da Juventude ouviu palmas.

Relações Públicas, Comunicação
Fotogaleria
LUSA/JOSÉ SENA GOULÃO
,
Fotogaleria
LUSA/JOSÉ SENA GOULÃO
Relações Públicas, Comunicação
Fotogaleria
LUSA/JOSÉ SENA GOULÃO
Relações públicas
Fotogaleria
LUSA/JOSÉ SENA GOULÃO
Relações Públicas, Orador
Fotogaleria
LUSA/JOSÉ SENA GOULÃO
Relações Públicas, Moda, Comunicação
Fotogaleria
LUSA/JOSÉ SENA GOULÃO

O secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, foi apupado neste sábado, enquanto intervinha no 16. Encontro Naconal de Associações Juvenis, no Estoril, Cascais. O governante teve de enfrentar as críticas vindas da plateia e que, segundo a Lusa, provinham maioritariamente de pessoas mais velhas. Em causa estão alterações ao regime jurídico do associativismo jovem, aprovadas a 3 de Maio, que limitam a idade dos presidentes destas associações a 30 anos. Rebelo assegura que são infundadas as razões da contestação e promete que não vão acabar as "associações presididas por não jovens".

PÚBLICO -
Foto
Secretário de Estado falou durante 25 minutos José Sena Goulão / Lusa

Na sessão de abertura, que contou com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o ambiente de festa e música contrastou com os assobios e apupos que João Paulo Rebelo recebeu quando foi chamado ao palco e, também, antes e durante a intervenção.

"Fui brindado com mimos desta plateia que, aparentemente, manifesta um desacordo com a lei aprovada a 3 de Maio em Conselho de Ministros", resumiu, aludindo à proposta de lei que altera o regime jurídico do associativismo jovem.

Entre os críticos presentes, que chegaram a interromper a intervenção do secretário de Estado, ouviam-se maioritariamente vozes de pessoas mais velhas, que chegaram a acusar João Paulo Rebelo de estar a mentir quando este disse que "não se vai acabar com associações presididas por não jovens". O secretário de Estado diz lamentar que se esteja a assistir "a muita desinformação".

Embora sublinhasse que se quer "estimular a liderança dos jovens", Rebelo foi peremptório a acrescentar que "não se fecha os olhos ao trabalho importante que é feito por muitas associações juvenis, que apesar de não serem lideradas por jovens, trabalham com jovens e trabalham para jovens".

"Assim mesmo, com o intuito de espelhar a diversidade do movimento associativo, a proposta contempla a criação das associações de carácter juvenil. Associações que demonstrem trabalhar maioritariamente com e para jovens, mesmo que não sejam lideradas por jovens", explicou.

Em ambos os casos, as associações juvenis e associações de carácter juvenil, "farão parte do registo nacional do associativismo jovem", garantiu o governante. No final da intervenção de 25 minutos, já só se ouviram apenas palmas e não apupos.

PÚBLICO -
Foto
José Sena Goulão / Lusa

Seguiu-se o discurso de Marcelo Rebelo de Sousa, que fez questão de se dirigir ao secretário de Estado para lhe dizer: "A política é assim. Umas vezes somos aplaudidos, outras vezes somos apupados. E que ninguém deixa de fazer política por ser aplaudido ou por ser apupado".

O Presidente da República reconheceu "a coragem" de João Paulo Rebelo de ter explicado a proposta de lei detalhadamente apesar da contestação.

"Certamente tem a sensibilidade e os deputados terão a sensibilidade para perceber que é preciso também apoiar as associações de carácter juvenil que traduzem uma realidade social muito importante na comunidade portuguesa", anotou.