Reportagem

Gerir melhor a água? Não basta pedir às pessoas para “fecharem a torneira”

Estudantes da escola Joaquim Gomes Ferreira Alves, em Gaia, discutiram com políticos as respostas aos problemas do sector hídrico. É parte de um projecto de investigação da Universidade do Porto.

,
Fotogaleria
Grupo Social, Multidão
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Jogos de salão e esportes, Esporte
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Grupo social
Fotogaleria
Paulo Pimenta
,
Fotogaleria
Paulo Pimenta

Não houve palavras de ordem, apitos ou qualquer outro ruído na “manifestação” com a qual cerca de 30 alunos da escola Joaquim Gomes Ferreira Alves, em Vila Nova de Gaia, receberam políticos e outros convidados para discutirem os problemas do sector hídrico. Mas houve cartazes.

Contámos 11, mas havia um que se levantava mais alto. Lia-se: “Governo: ficamos à espera… Sozinhos não fazemos milagres." Foi na quarta-feira. Durante os últimos meses, os alunos desta escola de Valadares estiveram a investigar acerca dos desafios que se colocam à gestão da água: a poluição, o mau uso, a escassez. No processo, ganhou força uma perplexidade: apenas 20% da água é consumida em casa. Os maiores consumidores são a indústria, agricultura e pecuária.

“O Governo não pode só pedir aos cidadãos para resolver os problemas fechando a torneira. Tem que transmitir a totalidade do problema”, declarou André Coimbra, aluno do 9.º ano. No ano passado, com Portugal a sofrer com a seca severa, as campanhas públicas eram dirigidas aos cidadãos. De fora ficou quem tem “maiores responsabilidades”, defenderam os alunos.

Uma questão que mereceu particular atenção dos alunos da escola de Valadares foram os chamados poluentes emergentes, compostos para os quais ainda não existe legislação, mas que a investigação científica já tem detectado em água potável e que terão impactos problemáticos na saúde das pessoas. São disso exemplo, a amoxicilina (princípio activo de um antibiótico) e o diclofenac (principio activo de um anti-inflamatório) que podem criar resistências no corpo humano e ter impactos futuros na saúde.

Os alunos tinham uma lista de medidas muito concretas para responder à questão. André Coimbra, mais uma vez, é o estudante de dedo apontado às funções do Estado: “deve ser criada legislação” para regular a presença destes poluentes emergentes nas águas para consumo humano.

Carolina Melo, por seu turno, defendeu que devem ser criados ecopontos para recolhas de medicamentos, tal como existem para pilhas e óleos, para evitar que as pessoas depositem remédios fora de prazo nos esgotos. Também as caixas dos medicamentos devem ter informação sobre os perigos destes componentes, à semelhança do que acontece nos maços de tabaco, propõe.

Não havia nenhum representante do Governo no fórum na escola de Valadares, mas os alunos conseguiram que dali saíssem alguns compromissos. Valentim Miranda, vereador com o pelouro do ambiente naquele município, prometeu que a factura da água que é enviada para as empresas do concelho terá, nos próximos meses, uma mensagem de sensibilização para a redução do consumo e algumas dicas de soluções de poupança, à semelhança do que já foi feito com os consumidores privados no ano passado. Pedro Morais, membro da Comissão Política Nacional do PAN, assegura que vai levar as propostas apresentadas pelos estudantes para discussão dentro do partido, podendo chegar à Assembleia da República.

Estas promessas não eram, porém, “o mais importante”, considera Rita Ruivo Marques, investigadora da Universidade do Porto que coordena o projecto Water Circle, no âmbito do qual os alunos da escola de Valadares têm estado a discutir os problemas do sector da água ao longo deste ano lectivo.

Primeiro passo: Instagram

Cerca de 150 jovens de seis turmas foram envolvidos, apesar de a iniciativa não ter um carácter obrigatório. O primeiro passo do foi levar o projecto para uma plataforma em que os alunos se sentem à-vontade, a rede social Instagram. Os participantes criaram contas para este projecto, onde durante os últimos meses puderam partilhar notícias, imagens e outra informação sobre problemas e soluções para as questões relacionadas com a água.

Foram mais de 200 publicações, que estiveram na base das discussões que depois foram mantidas em contexto de sala de aula. Depois, os alunos foram para a rua, entrevistar colegas, familiares ou funcionários da escola de modo a avaliarem os conhecimentos dos cidadãos sobre os problemas da água e visitaram centros de investigação da Universidade do Porto que estão a trabalhar sobre estas matérias. Ao todo foram cinco sessões em cada uma das turmas envolvidas – do 7.º ao 9.º ano – que culminaram com o fórum de quarta-feira.

O WaterCircle é projecto de pós-doutoramento de Rita Ruivo Marques. Formada em Engenharia Química, fez investigação durante dez anos sobre tratamentos de águas residuais. No seu doutoramento, começou a surgir-lhe a questão de que a prevenção da poluição não pode ser vista apenas do ponto de vista tecnológico, mas também de um ponto de vista social.

Apresentou a candidatura a bolsa da Fundação para a Ciência e Tecnologia na área de Ciência da Educação, num projecto repartido entre o seu centro de investigação de sempre, o Laboratório de Processos de Separação e Reacção - Laboratório de Catálise e Materiais, que tem estatuto de laboratório associado, e o Centro de Investigação e Intervenção Educativas.

“A investigação não pode ser hermética”, defende Rita Ruivo Marques. Se os temas que os cientistas trabalham são suscitados por necessidades que se identificam na sociedade, os seus resultados têm que “voltar à sociedade”, acrescenta.