Sonhadores de Ontem e de Hoje

Vinte e cinco jovens da Associação Desportiva de Taboeira que aprendem a ser campeões dentro e fora do relvado.

camiseta
Fotogaleria
Kiko, guarda-redes Adriano Miranda
camiseta
Fotogaleria
João, guarda-redes Adriano Miranda
camiseta
Fotogaleria
Vasco Silva, defesa Adriano Miranda
Esporte de equipe, camiseta, campeonato
Fotogaleria
Tiago Pinho, defesa Adriano Miranda
Frank Pallone
Fotogaleria
Dani, médio Adriano Miranda
Time esportivo
Fotogaleria
Daniel Oliveira, avançado Adriano Miranda
Frank Pallone, camiseta
Fotogaleria
João Pinto, defesa Adriano Miranda
camiseta
Fotogaleria
Barros, médio Adriano Miranda
Futebol, Fotografia
Fotogaleria
Filipe, avançado Adriano Miranda
T-shirt, Esporte de equipe
Fotogaleria
André, defesa Adriano Miranda
camiseta
Fotogaleria
David Rodrigues, avançado Adriano Miranda
Frank Pallone, Futebol, Fotografia, Fotografia
Fotogaleria
Gui, avançado Adriano Miranda
Frank Pallone, futebol, campeonato
Fotogaleria
Tomás, médio Adriano Miranda
Frank Pallone, camiseta
Fotogaleria
David Bastos, defesa Adriano Miranda
T-shirt, Yoann Gourcuff
Fotogaleria
Berna, médio Adriano Miranda
T-shirt, campeonato, esporte de equipe
Fotogaleria
Lucas, Avançado Adriano Miranda
Futebol
Fotogaleria
Denis, avançado Adriano Miranda
Futebol, camiseta, torneio
Fotogaleria
Rodrigo, defesa Adriano Miranda
camiseta
Fotogaleria
Pedro, defesa Adriano Miranda
Frank Pallone, camiseta
Fotogaleria
Henrique, médio Adriano Miranda
camiseta
Fotogaleria
Martin, defesa Adriano Miranda
Futebol, Fotografia, Fotografia
Fotogaleria
António, avançado Adriano Miranda
,
Fotogaleria
Gonçalo Pinho, defesa Adriano Miranda
Futebol, Torneio
Fotogaleria
Vasco, avançado Adriano Miranda
Frank Pallone, camiseta
Fotogaleria
Leandro, avançado Adriano Miranda

Com a liberdade que Abril de 74 trouxe a Portugal, o direito de associação explodiu. Por todo o lado foram fundadas associações de bairro, de cultura, de desporto, de festas. Os amigos que ao fim-de-semana se encontravam junto ao rio Vouga, num campo de pasto magicamente transformado em campo de futebol, decidiram receber a liberdade da melhor forma. Fundaram a ADT, Associação Desportiva de Taboeira.

Do campo de pasto ao relvado sintético, vai uma longa história. Como todas as boas histórias, também a ADT teve os seus bons e os seus maus momentos. Mas a carolice inicial e o apego ao emblema, ajudaram a transformar o Taboeira numa referência nacional e internacional. De segunda a domingo, 500 crianças e jovens, entre os três e os 19 anos, correm atrás de uma bola. Transpiram. Esforçam-se. Gritam. Ajudam-se.  Comemoram. Choram. Aprendem. Sonham. E depois, têm sempre o treinador ao seu lado. Que lhes ensina a rematar o mais longe possível. Para o futuro. Com ou sem bola. Rematar por uma vida feliz.

Quando vemos o Pepa, treinador do Tondela, lembramo-nos que foi treinador do Taboeira. Quando falamos de Bruno Seco, seleccionador nacional de Futebol de Rua, temos de falar do Taboeira. Quando admiramos o Ricardo Guimarães do Sporting, o Francisco Ferro do Benfica ou o Kiko do V. Guimarães, lembramo-nos que foi no Taboeira que marcaram um golo pela primeira vez. E o futebol é como o vinho. Existem anos em que a colheita é excelente. Aparecem os craques. E vingam. Mas existem também os outros craques. Que vão ser engenheiros, médicos, mecânicos, contabilistas, empresários, pedreiros, operários, juízes, agricultores. E no rectângulo verde que já foi amarelo, todos são campeões. Todos torcem para o mesmo lado. E nada melhor do que o abraço colectivo e espontâneo para festejar o golo impossível. Talvez eles não saibam, mas aquele abraço tonifica o cérebro e reforça o coração.

PÚBLICO -
Foto

A sala de troféus do Taboeira está cheia de vitórias desde 1991. Se cada taça falasse, tínhamos muita emoção na pele. Foram crianças e jovens que as ergueram. Todos contribuíram. Muitas vezes em situações difíceis. Mas foram todos. Naquelas estantes estão gerações de sonhadores. Uma história de bravura. E se nas últimas semanas muita água podre correu por debaixo das pontes do futebol de milhões, podemos e devemos admirar a chuteira número 35 ou o equipamento XS. Aqueles são os genuínos futebolistas. Pequenos em estatura mas grandes em inocência. A bola é uma diversão.

Na porta de entrada do complexo está escrito “Mais que um clube, uma paixão!”. Também é possível amar uma bola. Um símbolo. Um punhado de relva. E quando as coisas são feitas com amor, não são perfeitas mas são substancialmente melhores. Talvez aí resida o segredo da ADT. Um segredo contado a todos os que entram pela porta grande. 

O campo de pasto pertencia à condessa de Taboeira. Uma amiga íntima de Salazar. Salazar era visita regular da casa apalaçada da condessa. Hoje está em ruínas. Ao lado, onde se plantava trigo e batatas, são agora os relvados do Taboeira. Relvados novos em folha. A maioria dos atletas, não devem saber que o ditador pisou aquelas terras de braço dado com a condessa. Também não importa. Os sonhadores de 74 remataram tão alto que o céu os ouviu e lhes mandou a Liberdade.

Aqui ficam os retratos de outros 25 sonhadores. Sejam todos felizes!